segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Pra você

Você surgiu por acaso e virou meu amigo.
Lembra quando a gente “tirava onda” juntos?

De repente percebi que não era só amizade. E você me mostrou o desconhecido.
Me ensinou que o beijo pode expressar algo maior que uma simples gratidão.
Tivemos tantos momentos juntos...

Lembro de algumas conversas e alguns momentos.
Lembro do seu sorriso e de quando te chamaram e doido e você disse que era sim, mas era doido por mim. Foi tão lindo...

Lembro das nossas brigas e de quando fazíamos as pazes.
Lembro exatamente de quando tudo acabou, mas que não ficou totalmente acabado porque me disseram que ainda havia amor da sua parte.

Lembro de quando esclarecemos tudo e das inúmeras vezes que deixamos de nos falar.
Lembro das inúmeras tentativas de sermos bons amigos.

Mas lembro e sei que não dá.

Eu não consigo ser sua amiga. Já tentei.

Já me disseram que o segredo era não me apaixonar, mas eu não consegui.

Eu conheço teus olhos e sei o que eles me dizem. Conheço teus lábios e sei que aquele beijo não foi em vão... Mas eu não consigo entender o que está acontecendo...

Numa certa conversa, você disse que sempre que voltava a “dar em cima” de mim, era porque você tava afim, disse que nunca faria isso se não estivesse e eu acreditei.

Nunca achei que pudesse haver tanto amor dentro de mim.
Nunca imaginei que pudesse amar tanto assim.
Nunca pensei(e nem quis) te amar e esperar por tanto tempo.

Tentar te esquecer?

Já não conheço mais nenhuma fórmula.
“Eu já ouvi 50 receitas pra te esquecer, mas só me lembram que nada vai resolver...”

Sempre que estou quase conseguindo você volta pra mim, nem que seja de uma forma utópica e ilusória, mas você volta e os meus sentimentos começam todos a reaparecer.

Talvez o meu maior erro dessa vez tenha sido te permitir um beijo.
Não que eu não o quisesse, eu queria, e muito.
Mas porque agora eu não consigo esquecer e não consigo parar de pensar em você.

Não foi em vão que te beijei.
Queria que você pudesse se decidir e ver realmente você me quer.
Queria que você sentisse o meu gosto de novo e tivesse certeza que sentiu falta, ou não.

Agora já não sei o que fazer.
Não consigo esquecer, mas já aprendi a viver sem você.

Mas a vida não acabou. Nem a minha e nem a sua, então ainda posso ter esperança.
Ainda posso acordar e pensar que você vai voltar pra mim.
Ainda posso ir dormir esperando que a manhã seguinte seja melhor que a que passou.

Alguns me chamam de tola. Tola posso ser.
Mas já não tenho mais o que fazer a não ser amar você(ficou breguinha, né? mas o que eu posso fazer... Kkkk).

Karina Mendonça

3 comentários:

Zihh disse...

pq tipo assim.. esse post tah perfeito poww.. essa musika aiw d leoni.. nem se fala neh dona karina?! ahuahuhauhauhauha..
minha mae é uma escritora muitooo showww! tinha q ser a mão de quem?! logiko q tinha q ser mae de zihh!!! hauhauhauhauhuahuha..
tah lindo o texto viuh kari?!
tuh tem mt talento p/ escrever pow.. ^^

t amu!!!


=**

Patrick disse...

Acho que todos ou pelo menos alguns tem uma história parecida com essa. Talves seja verdade que só se ama uma vez...e amor não acaba...só adormece e se aprende a viver um tempo sem ele.

o alquimista disse...

Ora tu és apenas uma mulher linda e apaixonada, com um interior muito bonito...ditoso aquele a quem dedicares todo este amor...

Doce beijo