sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

Sem tema central

Desculpem-me a ausência. Andei viajando. Precisava ir pro meio do nada pra não pensar em mais nada. Não que eu tenha conseguido não pensar em nada, mas isso não vem ao caso.

Enfim, não escreverei sobre isso, então vamos em frente...

Hoje fui ao cinema. Adoro assistir filmes e quando os vejo no cinema é ainda melhor.

Gosto da maioria de tipos de filme.

Não gosto dos tipos pornô ou ficção científica demais (ou seja, só gosto de alguns).

Os meus preferidos são romance, drama, comédia, ação, suspense e terror (caso tenha notado, todos os outros tipos não citados no parágrafo acima...).

Um dos motivos que mais gosto de ir ao cinema é porque lá é quando eu consigo fugir do “mundo real”, digamos assim.

O cinema é a minha fuga, onde eu consigo esquecer de tudo e de todos e me concentrar no filme, só nele e por mais triste que o filme seja, me deixa feliz esquecer da minha vida, por um curto período de tempo.

O único fato que me deixa triste ao sair do cinema é que percebo que a vida não é nem um pouco parecida com o que vemos na “telona”.

Nos filmes, tudo parece tão fácil por mais difícil que seja. Deu pra entender?

Eu vejo tanto filme (ou talvez sejam todos iguais, não sei dizer) que já consigo saber quando o cara certo para cada personagem aparece, mesmo que muito rápido.

Eles são sempre encantadores, carinhosos, charmosos, elegantes e desleixados, enfim, eles são perfeitos, afinal eles não são de verdade, não é?

Mas não paro de me perguntar se existe um cara desses. Mas e se ele fosse real? Eu sei que não é, mas e se fosse, não seria legal?

Não gosto de novelas, pois elas são sempre previsíveis, quer ver?

Eles se conhecem no primeiro capítulo e se apaixonam, ficam juntos, mas alguém quer ficar com ela e alguém com ele, então eles são separados e cada um arranja um novo par, e aí depois de muito sofrer sem o outro, eles finalmente terminam juntos.

Não é sempre assim? Nos filmes pelo menos, mesmo quando terminam juntos, tem toda uma história legal e acaba em menos de três horas.

Perdi-me no assunto? Deixe-me ler. Volto já...

...após algumas modificações estou de volta, mas ainda não sei se me perdi, então, deixe-me continuar até concluir.

Enfim, o que estou querendo dizer é que ás vezes gostaria que minha vida fosse um filme, mas aí eu lembro que o filme acabou em menos de três horas e fico pensando no que teria acontecido se aquela história tivesse seguido por mais algum tempo.

Poxa, será que o cara certo pra cada personagem só aparece nos filmes?

Talvez eu esteja sendo um pouco melancólica, mas veja o meu lado antes de me criticar.

Nunca tive sorte no lado “amoroso” da vida.

Os caras que conheci sempre foram os errados e todos uns babacas.

Apaixonar-me? Apaixonei-me sim, mas só pelos que não queriam nada sério, ou seja, eu sempre me apaixonava pelo cara errado na hora errada.

Nas na época eu ainda pensava: “é apenas o cara certo na hora errada”.

Ingênua, não? Mas as coisas mudaram.

Talvez os filmes tenham me ajudado a perceber que não eram os certos, mas os errados em todos os sentidos e por isso estou à espera do certo.

Estar à espera, mas não quer dizer que esteja apenas esperando. Compreendeu?

Acho que acabei me perdendo no tema central, se é que temos algum tema central por aqui, né?

Enfim, devo ter falado muito e não dito nada, né? Mas pelo menos eu falei, precisava falar e pronto. Agora vou indo...

-Até a próxima
Kari Mendonça

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

Afinal, ajuda ou atrapalha?

Após uma longa conversa com um amigo, comecei a pensar e me surgiu uma enorme dúvida: a tecnologia ajuda ou atrapalha nas relações humanas?

Não cheguei a nenhuma conclusão até agora, talvez até acabar de escrever eu encontre uma. Enquanto isso, vamos analisar os fatos...

Estava mexendo numas coisas antigas aqui em casa e encontrei uma carta de uma prima escrita para a minha bisavó.

A carta era um quarto de uma folha e estava escrito: “Oi vovó, como a senhora está? Espero que esteja bem. Eu já estou aprendendo a escrever e estou com muita vontade de conhecer a senhora. Um beijo”.

Com o tempo, creio que minha prima passou a ligar para a nossa avó e penso que se hoje ela estivesse viva, minha prima a mandaria um e-mail, ou até um recado no orkut.

Tenho uma tia que mora na Itália e até algum tempo atrás eu só a via quando ela chegava aqui e apenas uma vez por ano.

Hoje, vejo minha tia todos os dias, até parece que ela está sempre aqui conosco. Tanto que, quando ela chegou esse ano, não tínhamos mais nenhuma novidade, tudo já havia sido contado.

Lembro que já me comuniquei muito através de cartas (inclusive com a minha tal prima já mencionada), já nos mandamos e-mails e hoje nos “falamos” apenas por orkut.

Vou tentar me explicar melhor pra que vocês me entendam.

Receber uma carta é algo muito gostoso. Não sei se você já passou por tal experiência, mas é muito bom ler palavras escritas a mão e pra você. Mostra que alguém se importou com você e se deu a todo o trabalho de escrever algo.

Além disso, a carta feita termina do nosso modo, pois quando a lemos a interpretamos e a imaginamos da melhor maneira.

Um telefonema já não é algo tão gostoso assim, mas já é bem legal, pois você escuta a voz da pessoa querida e pode saber de certa forma o que se passa, apenas pelo tom da voz.

Um e-mail, quando escrito exclusivamente pra você é legal, mas aqueles encaminhados para “todos os meus amigos” aí já não conta tanto, pois mostra a impessoalidade.

O msn é legal, conversamos a vontade. Falamos até não ter mais assunto, mas normalmente a amizade acaba quando o msn é desligado. Tipo... ele te da o poder de falar o que quiser a quem quiser, mas não te da o poder de encarar as pessoas de frente.

O orkut é uma bobagem, seu sei. Deixamos recados: “oi, lembrei de você hoje”, e ponto, acabou ali.

A internet é legal, mas parece que intimida as pessoas. Na internet falamos tudo o que desejamos, mas no “cara-a-cara” ficamos imobilizados.

Nesse espaço, por exemplo, talvez se eu estivesse olhando nos olhos de cada pessoa que for ler isso, eu não tivesse coragem de dizer uma palavra se quer.

Um fato que me foi contado, por exemplo, foi que três jovens estavam sentados numa mesa, mas cada uma estava com o seu celular e vidrado na sua individualidade e sem nem sequer olhar para o outro.

Outra coisa me deixa um tanto chocada é que hoje, por onde andamos, vemos as pessoas com um fone de ouvido e o seu mp3 no bolso. Ás pessoas não tiram o fone nem para conversar.

Enfim, mostrei os pós e os contras da tecnologia, ou pelo menos tentei mostrar. O problema é que não consegui chegar a nenhuma conclusão ainda...

Percebo então, que o mesmo poder que a tecnologia tem de juntar as pessoas, ela tem afastar.

-Beijos
Kari Mendonça

segunda-feira, 1 de janeiro de 2007

Ano novo, vida nova (???)

Um novo ano começou. E eu não vou dizer que perdôo, ou que quero mudar, ou “sei lá o que” que inventam de dizer nesses dias...

Um ano acabou, mas a vida apenas continua.

Os seus problemas continuam, as suas magoas, suas tristezas, seus sonhos, seus amores...

Nada acabou com 2006, e tudo chegou com você em 2007 e espero que você esteja preparado para isso.

Espero que o seu ano 2007 seja melhor que o ano que passou, mas eu não estou falando de milagres,pois espero que você continue sendo a pessoa que você é e que aja conforme a sua consciência e nada mais.

Não mude apenas porque o ano começou. Mude porque você quer mudar.

Melhor ainda, deixe para mudar amanhã, pois no calendário é um dia como outro qualquer.

Não espere a segunda-feira para começar uma dieta, assim como não espere o ano novo para fazer as suas “resoluções de ano novo”, onde todos colocam o que querem mudar.

Como eu já disse, mude, mas mude todos os dias.

No final de cada dia faça uma lista com tudo o que você fez e separe-a entre o que gostou de fazer e o que não quer que se repita. E no dia seguinte, tente não repetir os erros anteriores.

Não espero que os próximos 365 dias se passem para olhar no espelho e decidir fazer diferente.

Esteja pronto para todos os problemas, porque os que ainda não foram resolvidos não podem simplesmente ser esquecidos.

Esteja pronto também para o que a vida te reserva, pois cada dia é um novo dia e podem acontecer inúmeras coisas.

Fique alerta, o amor da sua vida pode estar próximos.

Fique alerta também, pois esse(a) ao seu lado, pode não ser o cara(garota) certo(a).

A vida é uma eterna caminhada.

Anos passam e anos chegam e você continuará caminhando.

Espero que caminhemos juntos e para o melhor destino possível.

-Um abraço a todos e valeu o apoio
Kari Mendonça