sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

Afinal, ajuda ou atrapalha?

Após uma longa conversa com um amigo, comecei a pensar e me surgiu uma enorme dúvida: a tecnologia ajuda ou atrapalha nas relações humanas?

Não cheguei a nenhuma conclusão até agora, talvez até acabar de escrever eu encontre uma. Enquanto isso, vamos analisar os fatos...

Estava mexendo numas coisas antigas aqui em casa e encontrei uma carta de uma prima escrita para a minha bisavó.

A carta era um quarto de uma folha e estava escrito: “Oi vovó, como a senhora está? Espero que esteja bem. Eu já estou aprendendo a escrever e estou com muita vontade de conhecer a senhora. Um beijo”.

Com o tempo, creio que minha prima passou a ligar para a nossa avó e penso que se hoje ela estivesse viva, minha prima a mandaria um e-mail, ou até um recado no orkut.

Tenho uma tia que mora na Itália e até algum tempo atrás eu só a via quando ela chegava aqui e apenas uma vez por ano.

Hoje, vejo minha tia todos os dias, até parece que ela está sempre aqui conosco. Tanto que, quando ela chegou esse ano, não tínhamos mais nenhuma novidade, tudo já havia sido contado.

Lembro que já me comuniquei muito através de cartas (inclusive com a minha tal prima já mencionada), já nos mandamos e-mails e hoje nos “falamos” apenas por orkut.

Vou tentar me explicar melhor pra que vocês me entendam.

Receber uma carta é algo muito gostoso. Não sei se você já passou por tal experiência, mas é muito bom ler palavras escritas a mão e pra você. Mostra que alguém se importou com você e se deu a todo o trabalho de escrever algo.

Além disso, a carta feita termina do nosso modo, pois quando a lemos a interpretamos e a imaginamos da melhor maneira.

Um telefonema já não é algo tão gostoso assim, mas já é bem legal, pois você escuta a voz da pessoa querida e pode saber de certa forma o que se passa, apenas pelo tom da voz.

Um e-mail, quando escrito exclusivamente pra você é legal, mas aqueles encaminhados para “todos os meus amigos” aí já não conta tanto, pois mostra a impessoalidade.

O msn é legal, conversamos a vontade. Falamos até não ter mais assunto, mas normalmente a amizade acaba quando o msn é desligado. Tipo... ele te da o poder de falar o que quiser a quem quiser, mas não te da o poder de encarar as pessoas de frente.

O orkut é uma bobagem, seu sei. Deixamos recados: “oi, lembrei de você hoje”, e ponto, acabou ali.

A internet é legal, mas parece que intimida as pessoas. Na internet falamos tudo o que desejamos, mas no “cara-a-cara” ficamos imobilizados.

Nesse espaço, por exemplo, talvez se eu estivesse olhando nos olhos de cada pessoa que for ler isso, eu não tivesse coragem de dizer uma palavra se quer.

Um fato que me foi contado, por exemplo, foi que três jovens estavam sentados numa mesa, mas cada uma estava com o seu celular e vidrado na sua individualidade e sem nem sequer olhar para o outro.

Outra coisa me deixa um tanto chocada é que hoje, por onde andamos, vemos as pessoas com um fone de ouvido e o seu mp3 no bolso. Ás pessoas não tiram o fone nem para conversar.

Enfim, mostrei os pós e os contras da tecnologia, ou pelo menos tentei mostrar. O problema é que não consegui chegar a nenhuma conclusão ainda...

Percebo então, que o mesmo poder que a tecnologia tem de juntar as pessoas, ela tem afastar.

-Beijos
Kari Mendonça

3 comentários:

Libelula da Noite disse...

Essa pergunta não tem resposta...
Nunca saberei te dizer se isos me atrapalha ou ajuda...

O importante mesmo é sabermos usar a tecnologia sem se esquecer de utiliza-la junto com sentimentos bons, e moderação!
hehe

De nada adianta ter um celular que até dança, se eu não o utilizar para ligar para os amigos.. não é mesmo???

Espero q vc tenha um ótimo ano! Cheio de realizações, alegria e bons sentimentos!

Seja felizz!!!

Bjo!

Jul!o disse...

Bem acho que a tecnologia é uma faca de dois gumes...so ajusda quem quer ser ajudado...


www.juliopio.cjb.net

O que é, é" disse...

que massa que esse tu escreveu isso ai, muito massa mermo. irado essa tal de tecnologia, ela tem esse poder de juntar mas ao mesmo tempo estar muito longe, que pena, mas um dia aprenderemos o sentido de uma amizade, bjaum.