segunda-feira, 16 de abril de 2007

Normal? Nem um pouco!

Eu sei que o Brasil tem assunto suficiente para os meus próximos 50 posts, mas hoje eu não quero me focar no Brasil e sim no mundo.

Na sexta-feira, eu estava em casa quando li a manchete: "Adolescente mata filho recém-nascido com 135 facadas nos EUA".

Minha primeira reação de choque. Não consegui imaginar como alguém consegue esfaquear um bebê e então resolvi ler a respeito.

Uma adolescente que conseguiu esconder a sua gravidez devido a obesidade, deu à luz em um tanque e logo após esfaqueou o bebê.

A princípio ela disse a polícia que o bebê havia nascido morte(não que isso fosse justicar, né?), porém, mais tarde, confessou que ficou "em pânico" quando viu o bebê se mechendo.

Poxa. Os meus olhos se encheram de lágrimas e o meu coração se entristeceu completamente com tal notícia.

Não consigo acreditar como alguém pode ser capaz de tal ato.

Sou louca por bebês. Acho o ser mais lindo, mais inocente, capaz de trazer a maior felicidade do mundo e não consigo aceitar que alguém faça mal a ele.

Hoje, li sobre o massacre numa universidade americana.

Até agora tudo o que se sabe(ou tudo o que foi divulgado), foi que o autor da chacina era do sexo masculino e que o mesmo cometeu suicídio logo após matar 32 pessoas.

Não sei a idade de tal indivíduo, não sei o que o motivou a ir em um dormitório universitário e logo depois a um prédio e sair atirando para todos os lados e em todas as pessoas, mas sei que o que fez é inaceitável.

Estamos tão "acostumadas" que tais notícias não nos causam mais nenhum impacto.

Todos os dias ouvimos notícia que falam do bebê que foi achado no saco de lixo, ou na ponte, ou até num riacho.

Ouvimos sempre que pessoas foram mortas a tiros logo ali na esquina, e passamos a achar tudo muito normal.

Mas eu só queria te dizer que NÃO É NORMAL.

Não é normal ou aceitável que uma mãe mate o seu filho, sendo ele um bebê ou não.

Também não é normal que um louco saia por aí com uma arma e se sinta poderoso e no direito de sair por aí matando quem quiser ou quem estiver na frente.

Vivemos numa sociedade, temos direitos e deveres, mas antes de tudo deveriamos ter o amor ao próximo.

Talvez esse amor não seja respeitado por não estar na legislação. Opa... mas afinal, o que é realmente respeitado na tal legislação? Enfim...

Temos o direito de ir e vir, mas não temos a segurança de que voltaremos.

E talvez o Estado não seja o único culpado por isso, afinal, a tal adolescente e o tal do sexo masculino não moravam numa sociedade tão "injusta" e com tanta desigualdade social como o Brasil.

Pois é, eles viviam nos Estados Unidos da América, onde existe o "american way of life", onde a vida é uma maravilha, onde se ganha muito dinheiro e onde todos vivem muito bem. Não é isso o que falam?

E então. O que levaria uma pessoa a cometer esse atos tão terríveis?

Não sei, não tenho mínima mínima idéia.

Mas eu só espero que da próxima vez que você ler uma nótica do tipo, que você não pense que é apenas mais um, mas que você possa sentir o impacto que tal notícia realmente causa, ou deveria causar.

-Abraços
Kari Mendonça

2 comentários:

Palavras de um mundo incerto disse...

Oi Kari!

Kari, aqui em Porto fiquei sabendo duma notícia,que não tem como pensar o mal para esta criatura desumana,que fez isso com uma mãe, que estava para dar à luz.

Fiquei sabendo através dum amigo meu(ele faz estágio de técnico em enfermagem), ele me disse que o médico estava com horário em cima, pronto para ir embora, e para solucionar este atraso que estava para acontecer, resolveu sedar a mãe, e prejudicou gravemente este bêbe. As aplicações postas, atingiram o sistema neurológico deste anjo.

O médico respondera um processo daqueles, e espero eu, que a justiça seja feita.

Forte abraço e um beijo!

Marcos Ster.

Palavras de um mundo incerto disse...

Cadê tu Kari?

Sinto falta de ler suas postagens, pois aprendo muito.

Forte abraço e um beijo.

Marcos Ster.