quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Por que escrevo?

Já não sei mais.
Ao ler o texto de um amigo, me fiz essa pergunta, mas por não saber responder, a ignorei. No entanto, hoje, ao entrar em um blog que encontrei por acaso, a pergunta me foi refeita.

O texto que li me encantou. Nunca vi tanto amor à escrita. Percebi que ela escreve porque gosta e gosta muito. Notei em suas tão belas palavras, um amor imenso e um desejo de continuar escrevendo por puro prazer.

Percebi que não é isso o que sinto. Escrevo, pois não agüento mais a angustia, a saudade, a dor ou até a felicidade me sufocando.

Escrevo, pois sinto como se estivesse conversando com alguém, mas só eu falo e “alguém” apenas me escuta. Isso me tranqüiliza. Me ajuda. Me faz bem. Nunca me importei com a forma do meus textos. Sempre os escrevi da forma que achava melhor.

No entanto, aprender sobre os textos, está me causando sérios danos. Engraçado, não? Afinal, deveria estar me ajudando, mas não está. E agora?

Acredita que até “a fórmula do texto” já foi criada? E cada vez que olho para os meus textos percebo que eles não têm fórmula. Talvez sejam coerentes, mas não sei se sempre existe a coesão.

Também não sei se meus textos possuem alguma “horizontalidade” seguida de uma “verticalidade” ou alguma “progressão temática”. Ás vezes, começo falando sobre um determinado assunto e termino deixando-o no meio do caminho.

Saber que não posso escrever “corretamente” e nem seguindo as fórmulas sugeridas por Wendel Emediato, me deixa triste. Ao mesmo tempo, que o blog é MEU e eu escrevo como bem entender.

Nunca o havia feito antes, mas, essa semana postei um texto e na manhã seguinte o apaguei. Apaguei, pois o achei “nada a ver”. Logo eu! Que nunca me importei para o resultado dos textos, apenas me importava em “botar pra fora” o que me sufocava.

Conversando com uma amiga, ela me contou que havia lido aquele texto, e comentou sobre ele. Fiquei feliz pelo comentário e me entristeci por o ter apagado. Mas nem tudo está perdido, o texto está salvo e em breve o publicarei, com algumas modificações, claro.

Já não mais sei o que fazer. Estou me tornando uma chata. Felizmente, decidi que essa chatice seria dedicada apenas a mim. Não fico procurando as fórmulas ou qualquer outra coisa nos textos de ninguém, apenas nos meus.

Mas afinal, como eu quero escrever a partir de hoje? Quero usar as fórmulas ou só me interessam as palavras? Devo me preocupar com a coerência ou apenas com os meus sentimentos?

Não sei... mas veremos onde chegarei...

-Abraços
Kari Mendonça

6 comentários:

Nuno´s alter-ego disse...

Curti seu blog... desculpe pela intromissão te vi no de auiri..

Antônio disse...

"o blog é MEU e eu escrevo como bem entender"

Isso, para mim, diz tudo. Se eu começar a me importar com o que os outros pensam e com a qualidade do que publico, então encerro o blog e vou fazer uma faculdade de escritor, pois é a única maneira de melhorar um pouquinho.
Eu gosto do que tu escreves. Sempre me faz refletir algum aspecto da minha vida. As opiniões alheias são importantes, mas não determinantes. Pense nisso.

Beijão, cuide-se!

Hugão disse...

Kari, como vc mesma disse escreva como bem entender. Ponha todos os seus sentimentos se é isso que você quer, foda-se normas e regras. O blog é seu, e eu o ADORO, não se critique, vc é uma exelente escritora!
Um beijão!

menina lunar disse...

É... Eu também escrevo, em boa parte do tempo, como uma maneira de desabafar... Tem horas em que o blog é o microfone onde cantamos belas melodias, e em outras é a pia onde vomitamos o indigesto da manhã. O que importa é desanuviar a garganta, não é mesmo? Com o exercício freqüente, a gente fica cada vez melhor, em todos os sentidos.

=]

Aliás, escrevi um post sobre este mesmo assunto, querendo dar uma olhadinha, o link é este:

http://meninalunar.blogspot.com/2007/07/motivos.html

Faz um tempinho que eu não passo por aqui... Vou comentar no texto anterior, e no anterior ao anterior.
Heheheheheh
Beijo Kari!!

Palavras de um mundo incerto disse...

Oi, guria!

Bah,que explicação, que justificativa, que verdades ditas.
Adorei, pois tu escreve, independente se com forma ou não ou deixa pelo caminho o que escreveu, com paixão e sabe passar à mensagem, o toque pra nós.
Gosto do que tu escreve, do que tu fala e qual o teu verdadeiro pensamento sobre as coisas inanimadas e animadas de nossas vidas.

Bjo e abraços!!

Com saudade!

Marcos Ster

Marcus Vinícius disse...

Eu escrevo por que eu gosto de me aprimorar. Escrevendo eu já amadureci bastante, além de melhorar o meu humor, fiquei melhor de papo, os brancos que me davam antes já não tenho mais, etc e tal.
E também por causa da satisfação de ver que eu criei algo que eu gostei (ou não, mas só quando eu gosto há a satisfação, e quando eu não gosto é um incentivo a continuar tentando a se aprimorar, entende?).

Eu sempre tento me aprimorar. Me tornar uma pessoa melhor em todos os sentidos. Eu não descanso enquanto eu estiver em meu máximo.

Acho que era isso.

Beijão!