quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

A menina e o amor

A menina estava andando pelo parque, quando ouviu um choro lá longe. Ela foi seguindo até que o encontrou ali, em baixo de uma árvore. De imediato ela o reconheceu e percebeu que não poderia deixá-lo ali, sozinho e tão triste.

- Oi. – perguntou ela. – Você está bem?
- Não! Não estou bem oras, mas o que importa?!
- Claro que importa. Eu não vou deixá-lo aqui sozinho, não desse jeito. E só vou sair quando você conversar comigo.
- Ah menina! Eu adoraria conversar com você, mas creio que você não me entenderia. Ainda é muito nova. Acho até que você não sabe quem eu sou.
- Mas é claro que eu sei quem és. Escuto falar de você desde o dia em que nasci. Sempre tive uma curiosidade enorme em te conhecer e sempre soube que, assim que o visse, eu o reconheceria. E aqui estou eu, pronta para conversar, e disposta a te entender. Vamos lá, pode conversar comigo.
- Olha, eu não sei onde estou com a cabeça, mas eu realmente preciso conversar com alguém, quem quer que seja. Você tem tempo? E disposição?
- Tempo é o que não me falta. Estou de férias! E disposição, eu sempre tive de sobra.
- Sabe o que é? Ando muito triste ultimamente. Tenho percebido que as pessoas estão estranhas. Não sei explicar, mas elas já não as mesmas. Nunca vou conseguir entender o ser humano... Eles se acham sempre tão inteligentes, tão sábios, mas é só tocar no meu nome que eles se transformam em leigos. Eles não me conhecem, não sabem nada sobre mim. Quer dizer, a maioria deles não sabe. Ou todos não sabem, não sei. Confuso, né?
- Um pouco, mas pode continuar.
- Pensando bem, há quem me entenda sim, os poetas. Ah os poetas!!! Eles sempre me entenderam. São os únicos que conseguem me descrever com perfeição e sem pieguices. Mas o problema são os humanos, como sempre. Mesmo com a descrição tão perfeita, ainda assim eles não conseguem me entender. É, mas se eles não me entendessem apenas, não haveria mal algum, afinal, não sou para se entender, sou apenas para se sentir e pronto! Isso já deveria deixá-los pra lá de satisfeitos.
- Olha, desculpa interromper, mas é que eu já ouvi falar que você não era tão bom assim não. A minha irmã tinha um namorado e quando o namoro acabou, ela me disse que você a havia destruído.
- É, há quem diga essas coisas a meu respeito. Mas na verdade, quem a fez sofrer não fui eu. Tenho certeza que sua irmã nem ao menos me conhece, ela apenas achou que conhecia. Está vendo? Esse é o grande problema do ser humano. Eles me popularizaram, sabe? Transformaram-me numa mercadoria. O problema é que, a mercadoria que eles vendem é falsificada. Eu sou único. Único e insubstituível. Ás vezes as pessoas vivem anos e anos de suas vidas achando que estou ao seu lado, mas não estou, e não porque não quero, mas porque elas nunca me encontraram.
- Claro que não encontraram. Se você viver escondido como hoje, será quase impossível achar você.
- Não menina. Eu não me escondo assim sempre. Apenas hoje eu não agüentei sair por aí. Estava muito debilitado. O problema é que algumas pessoas desistem muito fácil de mim. Na primeira desilusão, elas não querem me olhar nunca mais. Ignoram-me. Ás vezes eu bato em suas portas por algum tempo, mas elas continuam lá trancadas sem me olhar. E só decidem sair, depois que já fui embora, aí elas ficam dizendo que eu é que sou o injusto e o errado. A culpa sempre cai pro mais fraco. Não que eu seja fraco. Quer dizer, para alguns eu até sou, para outros eu sou firme como uma rocha!
- Ah! Se alguns o sentem com tanta firmeza, então esses o entendem, certo?
- Nem sempre. Ás vezes eles apenas decidiram não me entender, e por isso mantemos uma relação muito boa e muito estável. Um outro problema, é que alguns pensam que eu só posso existir entre duas pessoas de sexo oposto, ou não obrigatoriamente, mas enfim, elas acham que eu não posso estar em todos os lugares e nem com todas as pessoas. Eles esquecem que eu estou presente em todos os momentos, e se eles me notassem, poderiam ser muito mais felizes. Você acha que se eles conhecessem de fato a minha existência, existiriam tantas guerras? Claro que não! Se soubessem “me praticar”, digamos assim, não existiria tanta miséria e tanta desigualdade. Mas eles acham que só “me praticam” na cama, e, muitas vezes, nem lá eu estou. Eles adoram falar o meu nome e me usam da mesma forma como chupam picolé, a hora que dá vontade. E não é bem assim, eu sou especial, sabe? Sem querer me gabar...
- Sei sim...
- Então, em algumas relações, eu nem estou presente, como já disse, não porque não quero, mas porque eles sequer me chamaram para participar. E muitas vezes, nessas relações eu sou transformado apenas num apelido carinhoso e sem graça. Apelido esse que popularizou demais, sabe? Fico tão triste em ver essa banalização comigo. Eu não merecia esse desprezo que a humanidade me dá. Digo desprezo, pois, como também já disse, apesar de falarem muito em mim, eles, na verdade, me desprezam. E só mais uma coisa, as pessoas acham que podem me encontrar em algum lugar qualquer, mas elas esquecem que eu posso ser encontrado dentro delas.
- Dentro? Como assim?
- Você já deve ter ouvido falar em “amor-próprio”, não é? Alguns o acham um tremendo ato de egoísmo, mas eu lhes digo que não é. Amar a si mesmo é o mais importante, afinal, como desejar que alguém um dia chegue a lhe amar, se nem você o faz? Fica complicado. Ás vezes, as pessoas deveriam olhar pra dentro de si, e quando finalmente me achassem por ali, aí então é que elas deveriam procurar alguém para amar. E mais, elas têm que saber que, eu não apareço do dia para a noite. Eu chego, mas de mansinho. A princípio é difícil me notarem, mas se as coisas caminharem bem, logo me percebem e eu já estou de um tamanho indescritível.
- Olha, acho que talvez eu tenho entendido um pouco você, ou talvez eu nunca chegue a entende-lo como muitos, mas eu só queria dizer que, eu nunca vou banalizar você como algumas pessoas fazem. E eu nunca vou deixar que uma desilusão qualquer me faça desacreditar em você e na sua magnitude, pois eu sei o quanto você é especial, e hoje eu sei ainda mais. E não se preocupe, pois, as lições que aprendi hoje, levarei a vida inteira e as passarei para os meus filhos.
- Você promete isso menina?
- Prometo! Olha, está escurecendo, eu tenho que ir, mas sei que nos encontraremos muitas vezes ainda. Ah! E só pra saber, meu nome é Ana.
- Ana? Um bonito nome. Eu sou o Amor!
- É, eu já sabia!


Kari Mendonça

15 comentários:

Helena disse...

É que o amor é tão dificil de se sentir. Tao dificil de distinguir quando é verdade ou não...
Nao sei dizer.
Bjos

Auíri Au disse...

Que ele sempre venha conversar conosco.....

RECEITA DE ANO NOVO
(Carlos Drummond de Andrade)

•Para você ganhar belíssimo Ano Novo...
•Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na Gaveta...
•Não precisa chorar de arrependimento pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto da esperança a partir de Janeiro as coisas mudem e seja claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver.
•Para ganhar um ano-novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo!
•Eu sei que não é fácil mas tente, experimente, consciente.
•É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.



beijos amados

Sinto que sei que sou: disse...

Kari que coisa mais linda e perfeita
Sabe muitas vezes ele esta do nosso lado ou dentro de nos , so querendo q o percebamos e o pratiquemos...o problema do ser humano as vezes é troca-lo ou confundi-lo com egocentrismo...
Linda escrita
Nem rpeciso dar-lhe parabens pois vc ja nasceu parabeninzada huauah

Bjao
Se cuida

Menina Lunar disse...

KARINA MENDONÇAAAAA!!

E eu falo o quê agora?

NADA! Você já disse TUDO!

Caramba... Demoro pra passar aqui mas quando chego é quase uma catarse... Perfeito demais por aqui! Ô canetinha brilhante essa sua viu?

PARABÉNS MESMO!! MIL VEZES!!!

Lindona!! Um ano tão magistral e bonito quanto teu coração, escritos e idéias. E força pra driblar as imperfeições, que fazem parte da vida e sempre nos levam adiante...

Beijos e beijos e beijos!!

Katarine disse...

Kari!!
Lindo!
Cada dia mais gosto de vir até aqui!
E olha, concordo com tudo!!!!!!

*As tristezas que o final do ano tráz, com certeza não são maiores que as esperanças de dias melhores! Obrigada por tudo e feliz ano novo!!!

Alexandre Hallais disse...

Doce o seu texto...
Seu texto me levou embora e me trouxe com o amor...

Beijos e feliz 2008

ALF disse...

Tão cheio de ternura. Falaste co tanta sabedoria que me cativaste de umaa forma magistral. Penetrei minha alma em cada linha desse texto e pude me encantar, me fascinar com essa tua forma suave, simples e tão bonita de se falar do amor. De uma maneira diferente, que realmente toca a gente.

Falta mais consciência e mais vontade de seguir certos caminhos na vida. Abrirmos os olhos e enfim percebermos o amor tão próximo da gente. Ele que nos poetiza e nos envolve com uma fragrância maravilhosa. Poucos entendem o amor, e eu também muitas vezes não entendo. Mas não o banalizo, não o torno mercadoria. Agora talvez eu tenha esquecido ela com a frustração sim. Me envergonho.

Talvez eu deva ele florescer mais e mais dentro de mim. Mania de acharmos que tem horas que nada vai dar certo. Devemos acreditar no amor e em tudo.

hoje quero senti-lo com uma profundiade sem igual...

Ele sabe disso.

;)

Lindo, magnífico texto.

Beijos

Lilah disse...

nossa,Kari...
q texto lindo.

realmente, a gente fala tanto em amor,
mas na verdade somos leigos.

parabens msm!
ameii!

beijoo
feliz ano novoo!

Adriana disse...

linda,quero lhe desejar um 2008 maravilhoso cheio de realizações

bjsssssssss

Pripa Pontes disse...

Kari!
To em Maceió, e finalmente tive acesso à internet, aproveito então pra lhe desejar um Feliz Ano Novo!
Muitas realizações, muita paz e luz p vc e toda sua família!
E muitas emoções para botar para fora!

Lí seu post e só tenho a agradecer por tal reflexão que só me levou a percepção de algo tão preciso ter se tornado tão comum.
O ser humano n tem sido digno do amor, e continuaremos ainda pro muito tempo tentando entendê-lo. Quando na verdade só deveríamos sentí-lo.




Bjos!

Manuela disse...

Esse ano eu quero um amor de verdade!
Cansei.
É isso!

Marina disse...

Kari =D
Que história linda linda linda!!!
O amor é mesmo algo que muitas pessoas nem sabem o que é...
É tão comum sairem dizendo: eu te amo...mas tem gente que nem imagina a grandeza que possui essas palavras...confesso que eu mesma demorei muito muito a aprender.
Espero que nesse novo ano que está para ser iniciado, muitas pessoas aprendam a realmente amar!
Afinal, o amor é algo tão bom...que merece ser reconhecido, aprendido, sentido...
Que esse ano de 2008 seja repleto de sonhos, esperanças, saúde e felicidades para você e para toda sua família!
Bjos =***
E Feliz Ano Novo!

Mylene Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
::Lone Wolf:: disse...

Oi!!! Desculpe meu sumiço, você sabe como é fim de ano... Ah, eu adoro esse tipo de texto, é sempre muito bom de ler. Bem, quanto ao assunto, eu espero que você realmente continue acreditando. Eu já deixei de de acreditar irreversívelmente, em uma parte. Seus textos sempre vêm me dizer aquilo que estou pensando... Como você consegue?
Bem, feliz ano novo e muitas felicidades!

Beijos.

∆٭♥∞

Simplesmente Outono disse...

Devida e merecidamente linkada em minha estação assim sendo não a perco mais de vista.
Contéudo, bom gosto e bom senso fazem toda e total diferença.
permita-me deixar algumas folhas secas pelo teu chão.
Eu, Simplesmente Outono.