domingo, 9 de dezembro de 2007

Nem tudo...

Quem já vem aqui há algum tempo, conhece bem a minha “mania” de “enterrar” pessoas e momentos da minha vida. Mas, por algum motivo, senti uma vontade enorme de falar a verdade sobre algumas coisas. Como assim? Ah! Só lendo pra entender...

A primeira pessoa que decidi definitivamente “enterrar” da minha vida foi a única que, de fato, eu consegui. Na verdade, eu nunca, digo, nunca mesmo, penso nele (e não! Não e nenhum ex namorado ou coisa assim. É alguém que deveria significar muito pra mim, mas nunca fez por merecer). Eu já o ignorava há muito tempo, e ele sempre fez o mesmo. Até que, ele demonstrou na minha frente que eu não tinha nenhum valor para ele. Desde então eu ignoro por completo a sua existência. E quer saber? Nunca me fez falta.

Já tentei “enterrar” alguns amigos. Amigos que pareciam tão amigos, mas que, no meu momento mais difícil, estavam ocupados demais para me estender as mãos. Desde que os “enterrei”, não penso mais com tanta freqüência, mas não vou mentir dizendo que nunca penso neles. Penso, até mais do que deveria! Ás vezes me pergunto se, algumas coisas não tivessem acontecido, se ainda seriamos como antes. E, por algum motivo, eu acho que não.

Um outro alguém que decidi “enterrar” recentemente, também deveria significar muito pra mim, e não posso negar que, mesmo não querendo, ele ainda significa, mas não tanto quanto deveria. É outro que passou, do dia para a noite, a ignorar a minha existência. Há mais de três meses não nos vemos, e estaria quase esquecendo o seu rosto, se não houvesse uma foto um cima da minha cama, no meu mural, ao qual eu olho toda noite antes de deitar na cama. E por que ainda não tirei a foto? Pois ele não está sozinho, alguém muito importante o acompanha na foto e é só por isso que ela continua ali.

Alguns momentos da minha vida também foram definitivamente “enterrados”, outros não tão definitivamente assim. Um deles, se você me perguntar, eu nem lembro. É até engraçado como não consigo me lembrar de coisa alguma. Quando, por algum motivo, comentam sobre, eu só consigo concordar após inúmeros minutos tentando lembrar de alguma coisa, e nem sempre consigo. Fico feliz, pois realmente não vale a pena lembrar daquelas dias.

Já um outro momento, eu “enterrei” por algum tempo. Mas já há algum tempinho que venho lembrando das coisas e me surgem inúmeros questionamentos. Sempre me pergunto se a culpa foi apenas minha. Quer dizer, quem mais eu poderia culpar? Bom, eu poderia culpar meus pais, seria muito cômodo dizer que tudo foi culpa deles, pois me tiraram do meu canto e me levaram ao desconhecido. Mas eles não têm culpa, eu o pior de tudo é que eu sei disso.

Penso que eu poderia ter sido mais agradável com as pessoas. Sei que não fiz o mínimo esforço para agradar ninguém. Pensando bem, eu até tentei, como elas também tentaram nos primeiros dias. Depois ambas perdemos as forças e não conseguimos manter aquela falsidade toda. Na verdade, eu não sei se elas eram falsas ou se eu preferi considera-las assim apenas para me defender.

Pergunto-me se as coisas teriam sido um pouco diferente, se eu tivesse apenas, saído um pouco mais tarde um certo dia. Se eu tivesse sorrido um pouco mais, com tanto me pediu uma amiga. Se eu não tivesse enfiado a minha cara nos livros. Ah! Mas os livros eram o meu refúgio. Era com eles que eu me escondia de tudo e de todos e ninguém poderia me julgar, afinal, eu estava lendo.

Ás vezes penso que exagerei demais. Mas ai eu lembro que eu sempre exagero quando o assunto é sentimento. Se eu amo, amo mesmo. Se não eu não gosto de algo, dificilmente começo a gostar (com raras exceções, claro). Se eu sofro, não consigo simplesmente passar uma maquiagem, abrir um sorriso e sair como se nada tivesse acontecendo. Oras, maquiagem nenhuma esconde os meus olhos, o meu olhar.

Ah! O meu olhar! Esse sempre me denuncia. Ás vezes eu gostaria de andar com os olhos fechados. É impressionante o que eu faço quando alguém me desagrada. Certa vez eu não disse nada, apenas olhei e fingi que não vi. Minha amiga então olhou pra mim e começou a rir. Fiquei sem entender, até que ela disse, “essa tua cara é ‘a melhor’”. E eu pensei “droga! De novo o meu olhar me denunciando os pensamentos”.

Pronto! Só quis mostrar que, nem tudo o que eu digo, eu consigo fazer. Não porque não quero, mas muitas vezes, pois apenas não consigo. Como assim? Ah! Eu tento acabar com o meu sofrimento da melhor forma que eu arranjar, mas nem sempre isso acaba com a minha dor por completo. Nem sempre consigo esquecer pessoas, talvez porque elas significaram muito pra mim, e é difícil pensar que elas já não significam mais... ☻


Kari Mendonça

18 comentários:

Lilah disse...

eh isso mesmo.
a caminhada q fazemos nos faz ter coisas q precisam see enterradas pra termos força pra continuar.

a fé,a esperança e a persistencia sempre, são otimos aliados!

beijo

Uma Sobrevivente disse...

Oie amiga...

Muitas vezes realmente é muito difícil esquecermos ou simplesmente nos distanciarmos de pessoas ou circunstancias que nos fazem sofrer...

Sentimos que precisamos, mas não conseguimos na maioria da vezes.

Eu te entendo...

Bjs

Janaína

Menina Lunar disse...

Kaaaaari

Eu exagero também quando o papo é sentimento - na verdade eu exagero em quase tudo, rsrs - e sei bem como é isso...

Também sei o quanto é difícil matar certas certezas blindadas que às vezes a gente cria. Eu sempre lido muito mal com decepções, espero sempre o Melhor das pessoas...

Lembra sempre de enterrar o baixo astral e dar à luz todo dia a uma felicidade gigante que você merece viu??

E como tô sem dinheiro pra muitos presentes de natal, tem um montão de prêmios lá na Lua pra vc.

Beijooooo
Te adoro Kari!!
Se cuida.

Katarine disse...

Ei!!!
Estava com saudades de vc, rs.

Ixi, essas coisas acontecem comigo tb. Por muitas vezes enterrei alguns assuntos e pessoas, mas às vezes, pego uma pá e cavuco até reencontrar, rs.
O mais importante é tomarmos decisões e encará-las até o fim, mesmo que depois - nem que seja só pra nós mesmos, admitamos que, de certa forma, a culpa tb foi nossa. Bom, pelo menos é no que eu acredito!
bjos moça!!!

*Ahhh... POis é, pq será setembro? rsrsrsrsrsrs
;)

Sinto que sei que sou: disse...

Kari como to na correria nao consegui ler tudo, mas depois prometo ler com carinho
Ah obrigada pela cofianca é muito saber disso
Bjus
=)

Zihh disse...

Belo texto. Eu às vezes também sinto essa vontade de enterrar momentos, pessoas e lembranças. Confesso que já fiz isso inúmeras vezes, mas de um certo modo sinto que todos esses enterros serviram para me mostrar o quanto é ruim se esquecer daqueles acontecimentos. Hoje eu ainda persisto, enterrando algumas coisas ali, outras acolá, mas sempre acabo tendo que desenterrá-las para nunca poder esqeuce-las.

beijo kari.

saudades dos olhares que refletem teus pensamentos.

Pripa Pontes disse...

ai kari, enterrar é algo difícil, ou por vezes n tão vantajoso, bem qnto a mim prefiro lidar com os momentos difíceis e n esquecer que os viví como lembrança de que os consegui vencê-los.
mas muitas vezes já quis enterrar certas pessoas, mas infelizmente n dá, suas lembranças convivem comigo como fantasmas mudos...

como a vida é complicada não?

Bjos.

Palavras de um mundo incerto disse...

Bah, Kari, é sempre bom conseguir encarar o bom ou ruim de um forma real, pois tudo tem um fim. Há coisas que nos fazem um bem um tempo, e com o passar do mesmo, torna-se um inferno, com anjos e diabos todos juntos.

Mas bom resto de domingo pra ti!!!!!!

Com carinho!!!!!!!


Marcos Ster

::Lone Wolf:: disse...

A gente sempre saberá quando as pessoas com as quais convivemos são realmente nossas amigas... Momentos da vida eu não costumo "enterrar", pois sou muito nostálgico e tenho uma memória fora do normal para isso. Tem seu lado bom e seu lado ruim... Eu acho linda essa sua característica de expressar seus sentimentos com o olhar. Sei que issopode lhe ser desagradável às vezes, mas saiba que é uma característica admirável. É uma sinceridade silenciosa, porém cristalina. Como é difícil esquecer aqueles que nos marcaram, não é?
Ah, sim... Indiquei você a dois prêmios. Confira o post lá no meu blog.

Beijos!

∆٭♥∞

carol disse...

Enterrar faz parte da vida. Se eu nao enterrasse algumas pessoas e alguns episódios, eu já tinha me matado.
Mas o mais importante além de enterrar, é se certificar que aprendeu alguma lição.

;D

beeejão

Mylene Ribeiro disse...

Kari

Vc enterra as pessoas e as jogo no lixo .

Eu hein quem será q é mais estranha ?!

Tô brincando, enterrar pessoas vivas é só uma forma de arrancar da nossa vida algo q não produz nada ou talvez até prejudique a nossa existência .

Eu achava q era só um mal meu : Sentimentos exagerados .Pq qndo eu amo, EU AMO DEMAIS .
Quando eu odeio, EU ODEIO MAIS AINDA .

Mas tô vendo q eu sou normal .

Olha tb acho q " enterrrar pessoas vivas " ( falando assim parece até filme de terror ), é a melhor forma de preservar os bons momentos q passamos com determinadas pessoas ao invés de simplesmente estragar toda uma amizade .

Bjao Kari

E uma ótima semana pra vc .

Adriana disse...

Oi Kari, não é facil mesmo esquecer algumas coisas, ainda mais qdo não foram boas né?
Que sua semana seja maravilhosa

Bjs

Zihh disse...

eww.. que bom que tu gostasse..
o pior é q eu fiquei imaginando durante horas e horas como eu fazia pra colocar uma imagem no título do blog.. hauhauha..
quando eu fui fuçar, acabei vendo que era super simples.. aí acabei me empolgando..

um abraço kari..


=**

Candy disse...

Sabe a impressão que eu tive ao ler tudo isso, Kari?
Que vc pode até ter enterrado, mas na primeira chuvinha a cova vai aparecer.

Mas isso, hoje, nem vc pode dizer se sim ou se não.

Adooooro³³³!

beijoooo

Marcus Vinícius disse...

Eu não consigo me distanciar de uma pessoa que eu goste. Se eu consegui, é por que não gostava tanto assim.

Bem, esse comentário é só pra dizer que eu ainda venho aqui!

Beijão!

O magnata disse...

Porra isso tudo se reverte a fantasma alguns conseguimos espantar outros nós incomodam muito , tentamos não lembra mais ta la na nossa mente...


Bjs!!!!

Sinto que sei que sou: disse...

Desabafar é a melhor forma que encontro pra dizer tudo que sinto e que quero em pouco tempo, sabe sua forma de dizer tudo isso é linda demais parabens mais uma vez por se expressar tao bem...
Bjinho

ALF disse...

As vezes dá medo de ti rsrsr.

Brincando.

Bem, acho que esses extravasos que tanto tem são bons. Não para nós que aqui estamos mas para si mesmo. Essa auto análise (que também faço muitas vezes)´vem para te ajudar sempre. Cuspa tudo o que lhe dá vontade de falar mesmo. Alivia, desestressa, apazigua.

"Enterrar" pessoas e momentos talvez não seja uma alternativa pra lá de melhor, mas compreendo o seu sentimento. digo isso porque é ilusão querermos apagar definitivamente algo de nossa mente. O que podemos é condicioná-la a evitar essas lembranças. E é o que tu fazes agora. Mas nãos eja tão rígida consigo, nem com as pessoas que te magoaram ou que te decepcionaram de alguma forma. Isso não leva a nada, só amargura seu coração. Também tem pessoas que adoraria enterrar, mas não consigo, e emuito embora me tenham feito sofrer, hoje tento desanuviar mágoas, e as anulo. Muito melhor para o que se vive dentro de mim. A alma sorri.

E não é questão de procurar agradar ninguém minha querida. não pense que pode ter sido isso ou que tu errou. Também tenho questionamentos assim, mas logo penso e reflito que na verdade naquele momento fui eu de verdade. Se agradou ou não, fui verdadeiro. e depois, o que passou não tem como corrigir, mas podemos aprender com essas vivências e então melhorarmos como ser humano para posteriomente não cometermos certos deslizes.

Assim é.
Não falo tudo isso com a pretensão de achar que estou certo. Apenas digo o que sinto e posso estar errado também, fato que ainda preciso aprender muito também. MAs de uam coisa tenho certeza, que isso pode te ajudar de alguma forma a entender um pouco essas angústias que passa.

E além do mais minha querida, bola pra frente e vamos viver.

É o melhor que há de se fazer.

Beijo beijos

e descupe se me alonguei.

Te adoro viu