sábado, 23 de fevereiro de 2008

Bola de neve

Sabe quando uma conversa te deixa pensando por horas? E quando um assunto te leva a pensar em inúmeros outros e a sua cabeça e pensamentos parecem uma enorme bola de neve? Foi o que aconteceu... Por isso do título... Mas enfim...

Entrei na sala de aula, e, o assunto em questão era sobre relacionamentos. Por chegar um pouco depois, resolvi sentar-me e apenas ouvir. Não lembro como a conversar chegou a esse ponto, mas uma menina comentou que o namorado mora no México, mas vem ao Brasil a cada três meses.

Foi quando alguém comentou que não conseguiria manter uma relação á distância, por não saber conviver ou suportar com a ausência do outro, e também pelo ciúme. Nesse momento, a tal menina comentou que, durante o tempo que o namorado estava fora, eles se falavam pela internet, e que também, ela ficava com outras pessoas.

Enquanto falava ela ria, e então completou, “ele me pergunta se o traio, e eu respondo que não”, e continuou rindo. Então, uma outra menina comentou sua teoria, dizendo que não existe namoro virtual, e que, o tempo em que eles passam separados, é como se não estivessem juntos.

A professora chegou, a conversa teve que acabar e cada uma seguiu seu rumo. Mas aquela conversar ficou na minha cabeça. Aquelas palavras e assuntos ficaram martelando durante toda a noite. E é por isso que estou aqui, pra tentar arrumar esses pensamentos confusos.

Primeiro a tal menina falou que mantinha um relacionamento à distância e a admirei por isso, afinal, não é qualquer pessoa que consegue manter tal relação. Depois a menina vem me dizer que “fica com outros” com a maior naturalidade possível, como se fosse algo normal e aceitável.

Ainda durante a conversa, uma quarta menina comentou que todos já foram traídos e que temos que aceitar. E não é bem assim. Nem todos foram traídos, assim como nem todos traíram. Mas afinal, quando o ser humano perdeu qualquer credibilidade? Por que é tão impossível acreditar na fidelidade humana? E por que parece tão difícil ser fiel?

A infidelidade, apenas “mostra” a inexistência do caráter. Não consigo aceitar que uma mulher chegue em casa, fiquei com seus filhos, durma com seu esposo, e passe os finais de semana com outro. E isso serve para o oposto também.

Oras, se não há o interesse na pessoa ao seu lado, qual a dificuldade em terminar tal relação para seguir com o tal outro? Não! Não há dificuldade nenhuma, e é isso que não consigo compreender. Certa vez me perguntaram se eu perdoaria uma traição, respondi que não sabia e que, só saberia se um dia passasse por isso. E ainda não sei, mas é fato que acho inaceitável.

Quanto ao namoro virtual, também não acredito que exista, afinal é impossível a virtualidade dos sentimentos. Por mais que a forma de “estar juntos” seja facilitada pelo mundo moderno através da internet, por exemplo, o sentimento existente é real. E o compromisso também. E é por isso que o respeito deve existir.

É também por isso que passei a admirar aqueles que mantêm uma relação à distância, pois não é fácil. Há a saudade, a vontade de estar perto. A carência. E sim, as necessidades humanas. Se você parar para pensar o que o outro está fazendo quando você não está por perto, ou quem são as suas amigas ou coisas desse tipo, vai ser difícil suportar esses pensamentos.

É por isso que, para manter esse tipo de relação é preciso maturidade. Assim, como para quem está na relação como para compreender quem a vive. Não é por não estar junto a todo o momento, que se tem o “direito” de “ficar com outros” a fim de substituir a ausência. Para manter essa relação é preciso saber que essa ausência não existe, pois a presença se dá a cada pensamento.

Existirão dias em que a saudade chegará a ser insuportável, mas é preciso ser forte. É preciso ter a vontade de seguir em frente, acreditando que nem sempre existirá alguns “km” entre os dois.

E talvez eu seja apenas uma boba, mas eu ainda acredito no ser humano. Na fidelidade. Nos amores que suportam oceanos de distância... E quanto à maturidade, não sei se é por ela ou pela falta dela, que a infidelidade ainda é um assunto que acho difícil de encarar com naturalidade...

E agora só não vale pensar que ficou sem sentido. Eu avisei que era uma bola de neve, não avisei???



Kari Mendonça

10 comentários:

Weird disse...

- Fidelidade não é dormir com uma única pessoa pro resto da vida.

- Antigamente existia relacionamento por carta, hoje existe por e-mail/msn.

- Se divertir de vez em quando não é falta de caráter. Tem puta (por exemplo) com mais caráter que muito homem de sucesso.

Também apanhei um pouco, mas hoje encaro o que você chama de infidelidade com bem mais naturalidade, e na minha opinão o fato de você ainda não encarar de maneira natural é devido a falta de maturidade e não por ela.

Sei lá, rs... é o que eu penso.

Kari disse...

Olha, se maturidade é saber encarar isso como natual, então acho que não preciso dela não... Estou bem pensando assim...

Menina Lunar disse...

Já dizia Tony Garrido:

"Você sabe, um sentimento não trai"

Se trai, não é sentimento. Eu desacredito em amor pouco. Em amor falso. Isso existe?

Quanto à distância, repito as letrinhas do poeta: " Tudo vale a pena se a alma não é pequena"

A tua é gigante, Kari!

Infinita.

Beijo beijo beijo!!

Annina disse...

Passei para conhecer e gostei do que li.

Eu, sinceramente, acho triste esse pensamento de que 'todo mundo já foi traído, aceite isso'.
Não concordo, porque não vejo como verdade e não é verdade na minha vida.

Sou adepta da teoria de que você tem TODO o direito de desgostar de uma pessoa e simplesmete seguir seu rumo, mas NÃO tem o direito de desrespeitar essa pessoa.

Beijos e até!

Ah! E peço pemissão para te linkar!

Respira-me disse...

infidelidade. esse nome me amedronta. e eu tenho pânico disso. tanto que não confio lhufas no meu ex-rolado. é um ex que virou atual, mas a gente não namooora. ah é um rolo. uma bola de neve!
(:

candy disse...

Pensei em um monte de coisa enquanto lia, mil filmes passaram.

Mas deixa eu falar oq acho: cada um faz suas escolhas.
Acho que se resume nisso.
Afinal, se não sei quem resolve namorar a distancia, ele(a) fez sua escolha.
Se não sei que resolve ser infiel, tb fez sua escolha.

Cada um, cada um.
Acredito que não perdoaria uma traição. Mas quem fez teve seus motivos, por mais fúteis que tenham sidos.
Escolha. O nome disso é escolha.

E também não acredito muito em fidelidade não, infelizmente.
=/

;***

Katarine disse...

Não ficou sem sentido.
E eu concordo com vc.
Não sei qual seria minha reação diante de uma traição. Não se perdoaria. Mas sempre acho que quando há amor, não há traição. Pelo menos pela parte que realmente ama.
também não acredito em relacionamento virtual.
Não saberia encarar uma situação dessas.
É muito difícil!
Ai... por isso que quero sempre meu nego do meu lado.
bjos!

Pripa Pontes disse...

não sei, infidelidade é algo complicado. não acho natural, nem nunca acharei. mas também relacionar-se com outro n é tão simples, vc diz que se n se gosta por estar pensando em outro termina e pronto. concordo! mas isso envolve muito mais coisas, há pessoas que, por exemplo, não abrem mão da estabilidade de um namoro de longa data ou de um casamento para terminar só porque se apixonou, saiu com qlquer um. mas novamente digo, não acho nem nunca acharei natural.


qnto ao seu comentário no blog amador...é verdade qntas vezes nossa razão (que nem sempre está correta) fala mais alto e nos impede de viver aquele amor inetnso, ou qntas vezes nos dividimos por besteiras, sofrendo por milindres, chorando em lembranças?


Bjos, kari!
saudades

Marcela disse...

Kari... primeira coisa, vc tem Orkut??? Se tiver, me add:

http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=1289784458516517490

Pronto. Agora vamos. Eu tbm acredito no ser humano... tbm acredito em amores que superam qqr coisa. E em amizades assim tbm, que superam km e oceanos.
E eu vivo sempre nessas bolas de neve... e eu, seeeempre me lendo nos seus textos..
Adorei.

Um beijo beeem garde pra vc, bos restinho de domingo!

ALF disse...

Olha, realmente é um ´ponto a ser considerado. E hoje eu me entristeço com a maioria da sociedade por cultivar pensamentos assim tão naturais sobre a infidelidade. Como é facil de se notar, o sentimento tem que existir de verdade, e para isso trair não é uma alternativa correta.

Acredito nos amore de verdade, daqueles extremamente fiéis. Não importa a distância, se os dois corações são felizes e saber suportar com certa maturidade esse grande obstáculo, eles esperam até o momento em que seus caminhos se unirem definitivamente.

Acho que depende de cada um.

Agora trair eu não traio não.
e acho absurdo acharem tão natural.

Beijos
;)