sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Uma pergunta, e foi o fim...

Sabe quando uma amizade termina? Ás vezes por uma discussão (boba, em sua maioria), outras vezes pela distância, ou simplesmente pela vida. A minha amizade, no entanto, acabou com uma pergunta. É! Simples assim.

Éramos amigas há três anos. Andávamos grudadas o tempo inteiro. Éramos um trio perfeito. Quando uma ia ao shopping, chamava logo as outras. Íamos juntas para os shows. Os fins de semana eram sempre na casa uma das outras... Tínhamos nossas discussões, mas quem não as tem? Sempre resolvíamos tudo.

Duas de nós mudamos de colégio, mas isso não nos distanciou. Sim, nos víamos menos e saíamos menos também, mas a amizade continuava firme. Devido a uma promoção que tinha no meu celular, passávamos mais de quatro horas no telefone durante o final de semana. Tínhamos sempre coisas pra falar, assuntos para entrar em dia. Conversávamos sobre tudo.

Um dia ela me contou que estava namorando. Fiquei super feliz, pois, por ser minha amiga, e por gostar tanto dela, sempre desejei o melhor para sua vida. Diego, esse era o nome dele. Ela achou que, uma de suas melhores amigas precisava conhecer seu namorado, e então, fomos ao cinema, nós e mais alguns amigos. Achei-o um pouco estranho, na dele. Não falou muito comigo, e acho até que nem me olhou.

Eu estava feliz por vê-la, por conhecê-lo e por sair com amigos que já não via há algum tempo. Estávamos todos rindo e nos divertindo, mas Diego não tinha nenhuma reação. A tarde foi ótima, para mim ao menos. As minhas amigas, as que ainda estudavam com ela, diziam sempre que ele não era uma pessoa muito legal, era na dele (como já havia percebido) e não gostava muito de ninguém.

Nas nossas conversas ao telefone, Diego era sempre o assunto principal. O meu ex, que era rolo, depois foi namorado e voltou a ser ex, quase nunca aparecia na estória. Mas eu nunca fiz questão de nada. Gostava de vê-la feliz. Percebia a sua empolgação cada vez que falava nele, dele ou sobre alguma coisa que o envolvesse. Ás vezes ficava um pouco cansada, mas nunca a pedi para parar de falar dele.

Escutava tudo com muita atenção, e cheguei a criar opiniões sobre ele, baseado nas coisas que ela me falava. Sim, ele gostava muito dela, dava para perceber, mas, por algum motivo eu o achava exagerado demais. Por causa dele, ela acabou brigando com seu irmão e passou mais de um ano sem falar com ele.

Eu sempre a perguntava se realmente valia a pena estar sem falar com seu irmão por causa de um simples namorado. Afinal, querendo ou não, um namoro pode acabar a qualquer momento, a irmandade, entretanto, jamais acaba. Ela me ignorou por completo e decide não falar mais nada. Achei que não deveria me meter, afinal, quem era eu em sua vida?

Com o tempo ela foi se distanciando. Quando a telefonava, sempre precisava desligar logo. Parecia que não mais queria me contar coisa alguma. Todas as vezes que tentava marcar alguma coisa para fazermos, ela sairia com Diego. Antes de sentir o que poderia ser ciúmes, pensei, “ele é o namorado dela, deve ter mais direitos. Deixa dos dois se aproveitarem, afinal, eu quero mais que ela seja feliz.”

Um dia fui deixar um recado no Orkut da minha amiga (lembra que éramos três?), e, ao chegar lá, deparei-me com seu perfil. “Ela não deve ter me achado”, pensei. Depois vi que era difícil, visto que tínhamos inúmeros amigos em comum. A adicionei e deixei um recado dizendo o quando sentia a sua falta. Mas ela nunca me respondeu. Parou de entrar no MSN, e quando a encontrava, ela nunca podia falar comigo.

Deixei as coisas como estavam. Mas a situação começou a me incomodar. Gosto de tudo “às claras”, sabe? Quando o meu namoro acabou, passei meses sem falar com ele, até que um dia o encontrei no MSN e resolvi perguntar o que havia nos acontecido. Por que o namoro havia chegado ao fim? Conversamos um pouco, tudo ficou esclarecido e até voltamos a ser amigos... Por pouco tempo, mas isso é estória pra outro dia....

Resolvi que precisava conversar com ela. As coisas não poderiam continuar como estavam, pois não estava me fazendo bem. Um dia a encontrei no MSN e disse que queria muito falar com ela. E comecei a dizer que notei a distância que havia nascido entre nós. Perguntei-lhe o que estava acontecendo, por que não mais me ligava e ainda por cima me ignorava?

Se ela estivesse com raiva de mim, eu aceitaria, mesmo sabendo que não fiz nada errado. Mas o que mais me machucava, era sua completa indiferença com a minha amizade. Depois que falei e perguntei muitas coisas, ela disse que, apesar de não dever, iria me dizer algumas coisas. Falou-me então que Diego não gostava de mim. “Que mal o fiz?”, perguntei, mas eu não havia feito nada errado, ela apenas não gostava de mim.

Diego se sentia incomodado com a minha existência, com os meus telefonemas. Por algum motivo bobo, ele achava que eu atrapalhava o seu namoro, e por isso, um belo dia, ele a disse: “você vai ter que escolher, ou eu ou ela”. Nunca ouvi frase mais ridícula. Mas não foi a primeira vez em que vi um homem perguntar isso a sua namorada. Não sei por que os homens são tão inseguros que se sentem intimidados com uma simples amizade.

O que mais me deixou triste, porém, não foi saber que ele perguntou isso, mas foi ouvir que ela respondeu que preferia ele, “com toda certeza”. Penso que, ela poderia ter lutado um pouco só pela amizade, assim como ouvi uma outra menina dizer, quando foi questionada que, com toda certeza, preferia a amizade. O namorado, depois disso, ficou sem graça e resolveu continuar como estava. E depois dessa conversar, nunca mais a procurei. Ela fez o mesmo.

Recentemente soube que ela fez três anos de namoro com Diego, e então pensei, “caramba! Já faz três anos que não nos falamos. Três anos em que, a minha amizade foi jogada fora por causa de uma pergunta boba”. Ás vezes penso em como estaríamos hoje se Diego nunca tivesse aparecido em nossas vidas, e então eu percebo, que, talvez não estivéssemos em lugar algum ou estivéssemos exatamente onde estamos, visto que não houve nenhum interesse da parte dela em manter a amizade.

Não vou dizer que não sinto a sua falta, pois sinto. Gostava de seu jeito alegre, mas tive que aprender a viver sem toda aquela alegria. Espero, sinceramente, que ela esteja bem. Que o seu namoro esteja bem e que ela seja muito feliz. E quanto a mim, venho vivendo a minha vida, da melhor forma possível. Outras pessoas especiais surgiram, outras desapareceram. Algumas deixaram saudade, outras não...


Kari Mendonça

12 comentários:

Antônio disse...

Bom, é triste e ridículo ter que ler um relato desses. Parece que tua amiga esqueceu do que significa maturidade, em prol de ser feliz com um namorado, no mínimo, egoísta, para não conceder-lhe outros adjetivos.
O que acontece, Kari, é que, do alto da sua empáfia, alguns homens sentem uma bruta insegurança de perder a atenção de sua namorada para uma amiga, por exemplo.
Porém, como a culpa não vem só de um lado, a guria acaba sendo acéfala o suficiente para ainda gostar de um cara desses, que mal honra as calças que veste.
Não me surpreende que um namoro assim dure 3 anos. Se merecem. Me desculpe, é tua amiga, mas se merecem mesmo.
Um casal que não tem amigos está fadado ao não crescimento. Tu estás aí, hoje, madura, inteligentíssima, cativando tanta gente. E eles, estão lá, ele proibindo as amizades dela, ela aceitando, e os dois vivendo esse amor de faz de conta... É a vida.

Beijão!

Fire disse...

Sei bem como é isso...

Uma amiga parou de falar comigo e tenho certeza que foi por causa do namorado, mas ainda não tive chance de esclarecer....

Claro que ela me conheceu depois dele e não fazia tanto tempo que tinhamos amizade, mas sei bem como é isso, essa sensação de "mas o que é que eu fiz?"...

é mutio ruim...

mas espero q vc esteja bem!

Bjus Kari

O Véio disse...

Kari...

O comum seria que eu dissesse:

"Ela nunca foi sua amiga de verdade, e mostrou isso te trocando fácil pelo namorado..."

Ou, então:

"Ela é muito burra e imatura por agir assim, e ele é insensível e egoísta..."

O ser humano é mesmo complexo. As amizades vêm e vão, as paixões idem. Mas não culpe sua amiga, pois ela precisa dele por algum motivo, assim como ele dela. Pode ser que esse "precisar" termine um dia, mas faz parte de amadurecer. Ninguém é de ninguém, afinal...

E a gente nunca sabe o que as pessoas (amiga, namorado, irmão...) realmente precisam, no íntimo, nessa busca humana por algo maior que não se sabe muito bem o que é.

O que eu acho que vale a pena (e que você, aparentemente, já faz e muito bem feito) é amar, incondicionamente, seja quem for. Inclusive, nosso pior inimigo!

Quando mais alguém que já foi nosso amigo, né?

Beijos, linda poetiza com coração do tamanho do céu!

;-)

Candinha disse...

Kariroca, minha linda!

Tô sempre passando por aqui pra ver as suas palavras, viu? SEMPRE!
Não gosto muito de ficar comentando, mas tu me perdoa, né? A gente sempre conversou melhor ao vivo ou simplesmente pelo telefone, quando eu ligo pra tu e tu, quando reconhece a minha voz, fala: "Candiiiinhaa!!" =D

mas tô sempre passeando por aqui, lendo tudo que vc "bota pra fora"! viu?

beijo enooorme, saudades! Candinha.

PS.: Como assim o seu fotolog está fora do ar?? :*

Enterufter disse...

Poxa! Que pena mesmo uma amizade tão legal acabar pelo que você disse, por uma coisa tão boba. Mas se ela está feliz, como você sempre desejou, então que bom pra ela. Mas uma coisa eu tenho que dizer, ela perdeu uma amigona.

Kari, fiquei super apreensivo com a história da caixinha...quase que ela não chegava não é?...rsrs. Sem dúvida essa pessoa é bastante especial pra ti mesmo, deu pra sentir suas emoções daqui. Um beijo e te desejo tudo de bom e que tudo na sua vida dê sempre certo. Sempre!

Beijão do Jéu!

Marcela disse...

Kari, esse devia ter sido o seu post da saudade... me fez lembrar tanta coisa, sabia?
Perdi uma amizade mais ou menos do mesmo jeito, mas com um garoto, que era meu melhor amigo.
Até hoje eu sofro, mas ele nunca fez questão de manter amizade, embora tenha me readicionado no orkut esses dias (ainda não aceitei).
Tu escreve muito bem, é muito gostoso de ler, mesmo quando o assunto é triste.
Que bom que gostou do selo =)))
E obrigada pelos parabens!
Bons dias de carnava!
Beijos

Palavras de um mundo incerto disse...

Guria,
bodas de ouro para tua conquista de saber o que é amizade e o que não é.

Com certeza um dia, ou já aconteceu que ela se arrependeu de perder sua amizade.

Mais cedo ou mais tarde tocara no interior dela o carinho que tu tinha por ela. Eu tenho amigos e irmãos distantes que valem mais que os que próximos estão. A vida é isso: rosas e cravos.

Beijos pra ti!


Marcos Ster

Marcus Alexandre disse...

*élida falou de vc e me deixou curioso...
ahuhauhahua

axo que vc se expressou bem, mas ainda assim senti ressentimento com relação a tudo...
e tenho que dizer que concordo com vc quando fala da insegurança do tal rapaz e que essa história de "ou eu ou ela" é uma puta frescura (desculpa pelo palavrão mas nao encontrei palavra melhor pra expressar minha opinião)!
esse casal deve ficar grudado o dia todo, nao devem sair com amigos nunca, digo cada um com seus amigos...
eu axo que ficaria louco se nao pudesse ir jogar conversa fora, fzer churrasco e tomar cerveja com meus amigos!

beijos!
;)

Ninguem disse...

Eu já passei por isso, ia até contar a história mas acho melhor não falar mto aqui, e por um tempo a minha amiga continuou falando comigo. Por um tempo... Hoje nem sei mais como ela esta e as vz sinto vontade de enviar um email... =\
É dificil, mas eu as vezes penso que as pessoas geralmente escolhem apostar num namoro que acreditam ser pra sempre...

:*

Marília do mariliando.wordpress.com disse...

Já tive muitas amizades que acabaram sem motivo.

Tinha uma amiga chamada Ana Carolina. Éramos grudadas, fazíamos tudo juntas, etc. Aí, um dia, apareceu uma menina chamada Thaís Lá no colégio. Viramos um trio, e nos divertíamos à beça juntas, mas eu a Ana éramos mais próximas entre nós do que com relação à Thaís, pois ela era nova no grupo. Isso criou um certo ciúme na garota, e ela passou a ficar cada vez mais grudada na Ana e mais distante de mim. Até que Ana e eu brigamos, porque Thaís não gostava mais de mim. E aí acabou uma amizade linda, ela com a Thaís e eu sozinha :~

ALF disse...

Nossa, que atitude horrivel de sua amiga. Como ela se deixa levar tanto por esse individuo egoísta que não preza as amizades da namorada. Que sujeito inseguro e possessivo...

Que pena que uma amizade tão linda tenha se separado desta forma.

:(

Beijos

Katarine disse...

Apenas um comentário: ELA NÃO ERA SUA AMIGA. Se fosse, não teria feito esta escolha. Teria lutado, e mostrado ao dito cujo que as amizades são importantes sim. E que esse 'ciuminho' infantil é coisa de gente insegura e imatura.
bjos!!!