sexta-feira, 9 de maio de 2008

À todos

Sabe a outra noite em que a solidão me fez companhia? Ela, por algum motivo, me fez pensar na minha morte. Não, eu não planejo morrer, mas nunca se sabe, né? Fiquei pensando em que apareceria para se despedir, quem derramaria alguma lágrima e quem ignoraria o fato por completo... Em meio a tantos pensamentos confusos, cheguei a visualizar o velório e percebi que gostaria de escrever algo, não apenas para os que apareceram, mas para os que, de certa forma, fizeram parte da minha vida...


Antes de qualquer coisa, gostaria de agradecer aos meus pais. Eles que sempre estiveram comigo e me apoiaram. Desculpem-me pelas mancadas que dei e por todas as vezes que os magoei. Saibam que são as pessoas mais importantes pra mim e que eternamente os amarei.

Às minhas irmãs, as três igualmente, saibam que sempre foram imensamente especiais pra mim. E, como todos os irmãos do mundo, tivemos nossas brigas, nossos momentos de distância, mas nunca passei um dia sem pensar em vocês e desejar que estivessem bem.

Aos amigos do colégio, obrigada por fazerem as minhas manhãs tão especiais. Lembram do texto do “Chico Xavier” que Mila nos mandou? Espero que vocês estejam todos reunidos hoje. Sinto não poder fazer parte dessa reunião, mas fico feliz em tê-la proporcionado. Tenho apenas uma coisa a pedir, não deixem para se encontrar quando mais alguém se for, marquem sempre aqueles encontros no MC para trazer boas lembranças e saibam que vocês fizeram a minha vida melhor.

Aos amigos de qualquer outro lugar, saibam que, cada sorriso que demos juntos, foi especial. Sem cada um de vocês, a vida não teria tido a mesma graça. Lembro dos jogos de dominó ou master, os jogos de “pêra, uva, maça, salada mista...”, das conversas sérias, dos momentos de tensão... Lembro de cada bom momento e dos ruins.

Aos amigos que já não tenho contato, saibam que, apesar da distância, vocês foram especiais. Não importa por quanto tempo, nem o que nos tenha separado, o tempo que passamos juntos marcou e valeu a pena. É triste que tenham acabado, mas, de toda forma, terem acabado hoje, não é mesmo?

Aos meus familiares, aqueles com quem tenho fortes laços, pois há muito deixei de acreditar que família é todo aquele que tem o mesmo sangue. Há os de sangue com que não me importo e há os “sem sangue” por quem tenho grande afeto. Enfim, aqueles que sempre estiveram comigo, obrigada pelo apoio, pelo carinho e pelas ótimas conversas depois do almoço....

Aos que nunca se importaram comigo, saibam que, por algum tempo, sofri pelo desprezo, mas percebi que não valia a pena e resolvi seguir em frente, apenas com aqueles que me queriam bem. E a vida seguiu, sem vocês e sem, nem ao menos, sentir falta do que passou....

Aos meus amigos blogueiros, creio que nenhum deles está presente, mas não poderia deixar de citá-los. Saibam que a vida não teria sido igual sem a presença de cada um. E não importa a distância que tenha nos separado por toda a vida, a cada comentário era uma conversa. A cada post eu me senti mais próxima de cada um e espero tê-los feito sentir o mesmo. Obrigado por alegrarem meus dias com suas palavras e por me fortaleceram com suas belas escritas.

E por último, mas não menos importante, ao meu namorado. Sim! Aquele que sempre esteve presente, não importa a distância que tenha existido. Aquele com quem sempre me senti segura e querida. Aquele em quem estava pensando nos últimos momentos. Que me fez sentir menina e mulher das formas mais variadas. Obrigada por ter entrado na minha vida e por tê-la modificado completamente. Se eu não sabia o que era o amor, tenho certeza que aprendi com você.

Á todos que se dispuseram a se despedir, não importa a forma, muito obrigada. Gostaria de abraçar cada um em forma de agradecimento, mas agora não dá mais. Mesmo assim, sintam-se abraçados, para alguns aquele “abraço falso” que tanto comentavam, para outros, um abraço forte, e para um, um beijo gostoso!

Até logo! Mas espero que não tão logo assim...


Kari Mendonça

10 comentários:

.linny disse...

bonito blog,

cheguei por aq por visitas.

bjus

Antônio disse...

O texto em si é carinhoso, mas o motivo do assunto é meio assustador, mórbido, sei lá.
Sugiro que agora tu escreva um texto mais leve, como quem ressuscitou. =]

Beijo!

menina lunar disse...

Eu escrevi um texto parecido, acho que em junho do ano passado...
Mas em vez de ficar lindo assim, o meu acabou ficando cômico.. hehe

Beijo Kari!!

ps: melhorei :D

Mayara disse...

Como você disse, nunca sabemos quando chegará nossa hora, né?
Talvez daqui umas décadas, talvez daqui uns minutos, e o importante é viver esses momentos com a maior intensidade possível! Pena, que nem sempre lembramos disso, não é mesmo?

Enfim, meus parabéns pelo blog!
Faz tempo que passo por aqui, mas nunca tive palavras para descrever um post seu... Meus parabéns!

Um bom final de semana!
Beijo!

Adriano DiCarvalho disse...

Ok, Kari, vou esquecer do lado mórbido que seu texto me remete e pensar que com este você consegue fazer com que as pessoas repensem sobre seus atos e passem a valorizar os muitos momentos que nunca mais voltarão! rs
Há muito não lia algo tão pertubador. Mas reconheço todo o carinho de suas palavras e acho muito dígno da sua parte.
E o mais importante, é que esse texto ainda vai ficar por muitos anos vagando aqui pela internet até que ele tenha alguma razão de existir de fato. Vagando, se Deus quiser, por muitos e muitos anos!!!

P.S.: Obrigado pelas palavras tão gentis de outro dia. Parabéns pela sensibilidade e pelo conteúdo de seus escritos!

Bjão.

Candinha disse...

ôÔ kari, que angústia.. =[

fica pensando nessas coisas, não.. de que importa quem vai estar na tua despedida? me diz msmo, de que importa?? a única coisa que importa é essa coisinha q vc tem aí dentro do peito, essa luz, esse brilho, esse amor.. essa coisa q vem de Deus! q é maior do que qq coisa, q te faz acordar tdos os dias.. e que assunto, menina! despedida? até parece! só se for pq tu vai viajar de novo né, criatura? ahh, e eu queria muuito saber a hora q a senhorita vai viajar pra eu poder dar um tchauzinho lá do aeroporto, pode ser? uma pessoa disse q ia conversar cmg ontem no msn, mas acabou me dando bolo.. =P

sabe o q eu acho? eu acho que tu ta precisando de um abraço daqueles.. não de tia adriani ou do teu pai, nem do teu príncipe; tais precisando de um abraço beeem apertado, de amiga msmo, sabe? um abraço de verdade, de saudade! ^^

fica assim, não.. sabe q Candy ta sempre por aqui, né? e por sinal, a senhorita vai estar livre amanhã a tarde?? tô pensando em te fazer uma surpresa! :]

xeriiin =*

Rosi Gouvea disse...

"Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho."

Carlos Drummond de Andrade

Mais uma vez, encanto-me na sua presença...

Beijos doces

candy disse...

Ai, Kari, me senti bem lendo isso nao!
:S
parecia que vc tava indo de embora de verdade mesmo, entende?
Gosto nem de pensar.
Acho q nao sei lidar com as perdas e não quero nem imaginar essa hipótese com relação a vc.
:(

Bom fds!
e se cuida!
;*

candy disse...

meu deus!
tem duas candys!
kkkkkkkkkkkkk
tenho concorrencia
hehhehhehe

Flávia disse...

Eu já pensei em escrever um texto assim... mas nunca saiu nada. Não consigo. A morte me assusta. Admiro que consegue olhá-la de frente.

Beijão!