sexta-feira, 18 de julho de 2008

Ovos fritos

É fato que relacionamentos perfeitos não existem, mas também é certo que há algumas coisas que podemos fazer para deixar qualquer relação mais agradável e, quem sabe, duradoura. Talvez por isso existam tantos livros que ensinam fórmulas para relacionamentos.

Não! Não é minha intenção citar vários “passes de mágica” que mudarão sua vida. No entanto, há uma pequena “fórmula”, que considero fundamental: seja você mesmo. Parece óbvio, mas não é. Conheço pessoas que, para cada relação, se tornam pessoas diferentes, ou seja, se moldam ao parceiro (a).

E, cada vez que penso nesse tipo de pessoas, é inevitável não lembrar do filme "Noiva em fuga" (Runaway Bride), na qual Maggie Carpenter (Júlia Roberts) foge de três casamentos e, quando o jornalista Ike Graham (Richard Gere) decide pesquisar a respeito, descobre que Maggie, na verdade, não sabe o que quer.

A cada um dos noivos que foram deixados no altar, Ike faz várias perguntas e, na conversa, descobre que, para cada noivo, ela dizia que seus ovos preferidos eram iguais aqueles que o noivo tanto gostava. E, um dia, em meio a uma discussão, Ike diz a Maggie que, antes de continuar, ela precisa decidir de que tipo de ovos ela gosta.

No final do filme, após uma série de experimentos, finalmente ela decide quais os seus ovos preferidos, mas, muitas pessoas não conseguem se decidir como a personagem. Parece uma comparação boba, mas, da mesma forma que não se conseguirá comer ovos dos quais não se gosta para sempre, assim, não se conseguirá manter um personagem o tempo inteiro.

Se o cara gosta de “funk” e você não gosta nem um pouco, mas resolve dizer que gosta, só para agradar, um dia ele vai querer ouvir um pouco de “funk” com você e, com toda certeza não será fácil fingir por muito tempo que a música é “boa”. Uma comparação boba, e seu, mas foi apenas um exemplo.

Dizem que os opostos se atraem. Outros dizem que isso só acontece com aqueles que têm interesses iguais ou semelhantes. Já eu acredito que o amor pode aparecer de qualquer forma, seja entre opostos, iguais ou como for. O que não pode, é tentar ser o que não se é.

Acredite, você será muito mais atraente se possuir suas opiniões, suas escolhas, seus gostos. Se, de fato, existir um “você” e não apenas um reflexo do outro. Portanto, antes de seguir ou começar qualquer coisa, descubra qual é seu tipo de “ovos preferidos”.


Kari Mendonça

11 comentários:

Antônio disse...

Olha, por enquanto prefiro mesmo é não comer nenhum tipo de ovo... Tem muito colesterol! =)

Beijo!

Érica disse...

Eu entendi o que você quis dizer, e concordo também. É essencial que desde o começo de qualquer relação as coisas sejam bastantes claras, para depois não haver dúvidas ou questionamentos. No decorrer vão se adequando um ao outro. Um dia eu como ovo, no outro ele dança funk, ou vice-versa.

Também tô com saudades meu bem.
Não fiz minha matrícula ainda não.
Liguei pra lá e me disseram que até dia 31 mesmo.

Tô pensando em fazer semana que vem.

Beijos gigantes.

caah disse...

faloou tudo nesse post
ameei como vc escreve ;x


http://imensidadx3.blogspot.com

® disse...

Semelhanca de personalidade é fator determinante para a boa qualidade e estabilidade de uma uniao, penso eu.

Que tipo de relacionamento sobrevive quando existem mais diferencas que afinidades? Se nao termina com traumas permanece por acomodacao.

Quem nunca iniciou um namoro onde um gostava de pagode e outro de rock? Bonitinho no comeco...insuportável depois!! Porque existirá dois mundos completamente diferentes onde sempre os defeitos se sobressaem, e nao adianta insistir.

Agora SER O QUE SE É é primordial, seja em qquer tipo de relacionamento, por isso às vezes terao poucas pessoas que gostam da gente, mas as que gostam pode contar que é de verdade.

paula barros disse...

Oi, Kari
Sou de Recife também.
Gostei da sua forma de escrever.
Apareça.
Concordo com o texto, muito coerente e reflexivo. Fico com essa frase.
"O que não pode, é tentar ser o que não se é"
Isso é fundamental.
Prazer em conhecer seu blog.
abraços

Candy disse...

Em algum momento a máscara cai!
E quando cair...

eu tinha um comentário a fazer, mas qnd eu for responder o email eu falo...
=X
hehehehe

esse Branquelo é uma graça mesmo!
kkkkkkkkkk

;****

Palavras de um mundo incerto disse...

Bah, guria, concordo contigo, visse?

Beijjos e até mas!!!


Marcos Seiter

Clara Luz disse...

Você não acha que perfeição demais entendia?
Um dia quero ovo frito, no outro posso preferir cozido ou comer pão com manteiga.

Pripa Pontes disse...

é verdade kari, muitas vezes acaba-se transformando e nem senti-se que não se é mais o mesmo, e aí qndo o relacionamento acaba é q vê-se que tudo era um mero personagem.
a autenticidade é uma chave para alcançar a porta da felicidade. sendo nós mesmo atraímos não só amados, mas amigos que nos aceitam e assim nos entendem.
conseguios nos relacionar com o outro pq desde o primeiro momento nos apresentamos ao outro como somos, sem máscaras ou enganações.

Bjos e saudades!

Alê Raposo disse...

Karina, estou de volta... e agora pra ficar rsrsr
Beijos

Flá disse...

AADOREI!

A gente perde tanta coisa tentando ser algo que não somos, né? Quem disse que ser a gente mesmo não é interessante?

A comparação com os ovos foi ÓTIMA.

Beijão!