sábado, 30 de agosto de 2008

Era uma vez um sorriso

Aninha era uma menina bonita. Não era de muitos amigos, mas, os amigos que tinha, eram dos bons. Normalmente as pessoas nunca gostavam dela, principalmente quando a viam pela primeira vez. Era seu jeito tímido, que acabava sendo confundido com “raiva”. Quando estava num lugar onde não conhecia ninguém, ela ficava na dela, no canto, mas as pessoas nunca entendiam isso.

Queriam que ela ficasse falando com desconhecidos para conhecê-los, mas era difícil fazer isso, quando a timidez tomava conta do seu ser. E era por isso que Aninha era vista como “a chata”. Mas, quando alguém resolvia passar por essa barreira e acabava conhecendo-a melhor, descobriam que, por trás daquele rosto sério, existia uma pessoa ótima.

E, era só para aqueles amigos, apenas os que resolviam derrubar a barreira virtual que existia, que Aninha mostrava seu sorriso. Eram poucos os que o conheciam, mas, até eles, não o viam com tanta freqüência. Era um sorriso bonito, sempre sincero, mas tinha um pequeno “defeito”, era torto. Ou “tronxo”, como chamavam algumas de suas amigas. Mas, ao invés de considerar defeito, ela costuma dizer que era seu “charme”.

Na vida de Aninha, as coisas pareciam nunca ter graça. Não era qualquer piada que a fazia sorrir, e nem qualquer comentário. Seu sorriso era como os talheres do casamento dos seus pais, só são usados em ocasiões especiais. Ela sabia que não era certo agir assim, mas não conseguia fazer de outra maneira.

Por várias vezes tentou usar aquele sorriso, apenas para satisfazer alguém, mas pareceu tão falso... Que ela nunca mais tentou. Era difícil sorrir quando falavam alguma besteira. Mas o engraçado é que, ás vezes ela sorria para o que muitos consideravam uma besteira tremenda, mas oras, quando ela achava engraçado, era suficiente para sorrir. E sorria mesmo. Da forma mais boba e mais gostosa.

Aninha gostava de seu sorriso “tronxo”. Gostava de pensar que, ao sorrir, as pessoas o veriam, apesar de, poucos já terem reparo no “detalhe” daquele sorriso. Mas, o que ninguém sabia, é que ela tinha um problema na boca. Seus freios, tanto o superior, quanto o inferior, estavam no lugar errado. Estavam, ambos, puxando sua gengiva e assim, deixando seus dentes desprotegidos.

Quando percebeu o problema, ela logo operou a parte superior. Deixou para fazer a inferior depois. Na hora da rápida cirurgia, a dentista lhe informou que seu beijo, por exemplo, ficaria um pouco diferente. Mas isso nunca pôde ser comprovado, pois não havia quem a tivesse beijado antes e depois. Os anos passaram e ela acabou “esquecendo” da parte inferior da boca.

Mas, o freio não parava de lhe “puxar” os dentes, e o dia de retirá-lo chegou. Fez a cirurgia, doeu um pouco. Tomou remédio. Passou uns dias sem comer. Voltou a comer normal, mas ainda falava com dificuldades. Até o dia em que conseguiu comer e falar normal. Até soltar beijos já conseguia. E foi quando, na frente do espelho, resolveu sorrir.

O choque foi inevitável. Não era ela na frente do espelho. Não! Não podia ser! Cadê o sorriso? Cadê aquele riso “tronxo”? Chamou sua mãe, perguntou a ela se havia algo diferente e, para sua tristeza, ela disse que sim. Seu sorriso estava diferente. Ainda “tronxo”, um pouco, mas diferente. Sentou-se no vaso sanitário (era o local mais próximo) e ficou, por alguns instantes, pensativa.

Perguntou-se como seria a sua vida dali para frente. É como se os talheres do casamento tivessem se transformado naqueles Tramontina com o cabo de plástico que se usa todos os dias. O sorriso havia perdido o “charme”. Já não havia mais motivos para escondê-lo de qualquer um. Ficou triste.

Após alguns dias sem saber o que fazer, resolveu que, não importava o que tivesse acontecido com seu sorriso, ele continuava sendo seu e, por isso, deveria continuar sendo mágico e “tronxo”, aos seus olhos. E, assim continuou Aninha, com um sorriso diferente, mas nunca deixando de ser único.


Kari Mendonça

14 comentários:

Jéssica disse...

A vontade é você quem faz.


Adoreei!

;*

Uma Vencedora disse...

Oie amiga...

Que texto lindo e forte!

As vezes, algumas pessoas querem que sejamos como elas querem, e muitas vezes, até nos deixamos levar pela pressão...

O mais importante é perceber quem nos somos e gostarmos de nós mesmos, como somos... Mesmo com os defeitos, pois também poderemos perceber qualidades...

Amiga, seu blog está lindo!

Amei a nova roupa, rsrsrs!

Bjs

Janaína

Palavras de um mundo incerto disse...

Guria,
o sorriso "tronxo"ainda existe e é lindo. A cirurgia fez com que deixasse ele mais lindo. Aninha é uma guria especial.

Beijos e sei que tu vai ler hoje de manhã: bom dia pra ti!!!

Marcos Seiter

ALF disse...

que lindo. Maravilhosamente Incrível. Aninha e seu sorriso que deve sim ter continuado com um encanto especial. TExto incrivelmente belo..
:***

Beijos

ALF disse...

esqueci de deixar meu comentário sobre a nova roupagem do blog.

Está muito lindo Kari. Não sou de gostar muito de preto, mas de cores claras e mais colorido. Porque mais é cor pra mim é vida, e preto acho o contrário. Mas aqui ficou uma suavização bacana, e o contraste com os seus textos imensamente sentimentais dão MUITA VIDA a tudo aqui. Ficou lindo, especial e do teu jeito.

Adorei.

» NaY « disse...

Gosto tanto da forma como você escreve! =)

Eu também sou um pouco Aninha, timida (mas não tanto) com poucos amigos e que após uma cirurgia bucomaxilofacial passou no espelho e não reconheceu seu sorriso, não se via no espelho...

Xerus
=***

Tá linda a "roupa" nova! ;D

instantes e momentos disse...

ótimo post, muito bom.Gostei daqui . Parabens.
Tenha um bela noite.
Maurizio

Érica disse...

Lindo texto Kari.
Como sempre.
Beijos
:***************

O Velho disse...

O importante é voltar a sorrir!

;-)

Alê Raposo disse...

E não é que, coincidentemente, conheço essa tal de Aninha... e ela tem um sorriso lindo!

Grazi Sperotto disse...

Texto muito bom! temos que ser como somos, com sorriso "tortos" e tudo mais...
Beijão querida, boa semana...

Libélula da Noite disse...

Aninha foi corajosa hahaha
Eu preciso arrancar os 4 dentes do ciso e até agora não tive coragem hahaha
Aninha devia sorrir mais.. Pra mim de nada tem graça aqueles talheres do casamento da minha mãe.. Os tramontina velhos de guerra são mais legais! hehe

bjs

Érica disse...

Aninha tem o sorriso lindo, independente. Porque o sorriso dela é puro e sincero, e isso, nenhuma cirurgia vai conseguir mudar.

Eu amo muito a aninha sabia?
:)

Camila disse...

Sorriso!
Adorei o conto!
Parabéns, viu. Sinceramente tu escreves bem demais!
Quero sempre ficar como Leoni: "vestindo meu melhor sorriso..."!