sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Pensamentos de um espelho...

Estava prestes a sair de casa quando resolvi dar uma última olhada no espelho. Acabei, por alguns minutos, ficando ali na frente. Assustei-me com o que vi. Era uma mulher, com maquiagem e gloss. Perguntei-me onde havia ficado aquela menina que um dia fui. Tentei me lembrar em qual momento as coisas tinham mudado tanto.

Lembrei daquela menina com os cabelos curtos, um jeito implicante de ser e um carinha sempre de “abusada”. Uma menina que arrancava seus dentes como se fosse o maior feito do mundo. Que usava um penteado intitulado de “duas orelhinhas e um rabinho”. Era boba, mas era tão feliz com seu jeito moleque de ser.

Ah! O mais engraçado foi lembrar-me daquela adolescente que jamais saia de casa com maquilagem. Gloss? Batom? Nem pensar... Blusas e camisas só com mangas. Vestidos? Jamais. Continuava implicante, como sempre. Foi a época em que me intitulei “rebelde” e fui para o colégio, algumas vezes, com batom preto. Sabia tão pouco sobre a vida, mas achava sempre que sabia de tudo.

Sai da frente do espelho. Precisava ir para a aula. Peguei a bolsa e fui para o carro. Sai da garagem, liguei o som e a cabeça não parava de girar em lembranças e pensamentos. Foi quando me dei conta que eu estava dirigindo. E pensei “que vitória”. Tirei a carteira de motorista em maio de ano passado, mas tinha pavor ao trânsito. Não conseguia pensar em dirigir com tantos carros ao meu lado.

Resolvi perder o medo em fevereiro desse ano. Fui lá, fiz algumas aulas de trânsito (sim, existe isso) e passei a dirigir pra lá e pra cá. Tinha um pouco de medo, mas minha mãe me obrigava a ir sozinha para a faculdade e acabei pegando a prática. Não foi fácil, mas hoje percebo como foi bom.

E, enquanto estava indo, percebi que a vida dá inúmeras voltas. Que as coisas mudam, as pessoas mudam e, principalmente, eu mudo. Eu mudei. E como mudei... É fato que ainda resta um pouco da menina “implicante”, da adolescente “revoltada”, mas também existe muito da jovem mulher “sonhadora”.

Da mulher que resolveu lutar pelo que deseja, pelo que sonha. A mulher decidida que resolveu não apenas ver a vida passar. A mulher que hoje, não sai de casa sem ao menos uma base, um blush e um gloss. E foi aí que percebi o quão é maravilhoso esse ciclo da vida. Nunca somos os mesmos, nunca pensamos as mesmas coisas (exceto algumas, claro).

Mas estamos em eterna “metamorfose”, tanto física quando psicologicamente. E isso deveria nos tornar melhores ao longo dos anos. Pena que percebo algumas pessoas que não conseguem, que fazem da maturidade uma cruz e que, ao longo da vida, retrocedem.

É por isso que eu tento sempre aprender com o que passou e ficar forte para o que há de vir e o que eu hei de lutar para conquistar.


Kari Mendonça

16 comentários:

Adrielle Fernandes disse...

Ola! Espero que não se incomodi pois add seu blog ao meu . Eu li e gostei do seu blog me prece ser sincero.
Espero vc visitar o meu e me add tambem e assim trocarmos experiencias.

Abraços e ate mais!

amália :) disse...

hmm, visu noooooooovo! digno de uma mulher, com requicios da adolescente revoltada e da criança implicante :). mas é isso mesmo, a vida é uma eterna mutação... com o tempo os pensamentos amadurecem, algumas coisas se tornam mais complexas e outras adquirem a clareza e simplicidade que deviam ter desde o principio... bjo qrida. :*

o que me vier à real gana disse...

Este tb vale a pena! Sim, é mais um blog que vale a pena!

Palavras de um mundo incerto disse...

"Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante", Raul Seixas acertou na mosca( fora da sopa), o ciclo da vida.

Beijos querida e uma boa noite!!!


Marcos Seiter

Jéssica disse...

É bom ser assim. Imagina se fôssemos crescendo só fisicamente, com a mente de 7 anos, por exemplo? Aposto que não seria nada legal.

Essa metamorfose tem suas vantagens, e chega a ser maior do que os prejuízos. Ou não.

Enfim, adorei :)

candy disse...

Acabei de falar sobre isso num blog que comentei.
Mudei tanto nos últimos tempos, mas tanto que fico às vezes me perguntando o que da antiga Candy restou.
Mas aí eu paro e vejo que minha essência continua a mesma e como é bom mudar!

Fui há uns 10 dias para uma palestra sobre suicidio com uma bambambam no assunto.
Se eu nao me engano, ela disse que aqui no BR é a terceira maior causa de mortes entre jovens (primeira é a guerra urbana - sim, pq isso é uma guerra - segundo as mortes no transito e terceiro o suicidio).
Assustador, né?
Até paralisante.
Um assunto que mexe mtoooo cmg, que eu tenho um interesse enorme.

beijãããooo, amiga!

*ah, deixe de bobice, viu? Qnd eu for aí de novo a gente se ve! Ou então um dia qnd vc vier aki
:D

® disse...

Esses ciclos sao inevitáveis... que bom! Estamos sempre em transformação, isso que é o mais engraçado, nao importa a idade!
Alguns preferem chamar de evolucao, progresso (nao deixa de ser), mas nao posso negar que qdo passa-se de um ciclo para o outro, muitas coisas sao perdidas, deixadas para trás, e num caminho sem volta.
O corpo, esse é sempre fiel à idade, avisa que o tempo passou, e que agora, é impossível dançar a noite inteira de salto alto!!!!

* Amiga, deletei o coment do post abaixo pq estava usando o login da minha sobrinha, eita que desmantelada eu hehe

Dan disse...

Kari eu voltei...e ai como esta tudo?
bjus

Hugo Simões disse...

voltei sim! o Rotineiro é uma maneira de libertar um pouco minha mente, sentia falta disso.
É, todos mudamos, sofremos, vivemos, aprendemos. tenho saudades também de minha infância, da época em que eu podia fazer uso da alegria da pura ignorância. Hoje a vida é mais dura, e quantos mais anos eu conto mais pesada e mais legal vai ficando! Não vejo a hora de tirar minha carta também!
Que bom que agora posso ler aqui! ehhehee, beijão kari!

ADRIELLE FERNANDES disse...

Esses é só mais ciclo da vida onde deixamos de ser crianças e nos tornamos mulheres e homens cheios de sonhos.
Eu estoupassando por isso estou deixando, não totalmente, a minha criancice e me tornando uma mulher cheia de planos e sonhos a ser conquistado.

Boa Tarde!

Pripa Pontes disse...

Kari! Quanto tempo não? Andei meoi furada com o blog, mas é que a correria tá grande...
Como me fazia falta passar pro aqui e pelas tuas palavras matar a saudade! Faz tanto tempo q agnte n se vê! Saudade dos almoços da Mc, das idas não idas à praia...
E como vc mesmo escreveu, tudo são fases cilcos, creio que a cada dia nos assustamos com nossas evoluçãos, com nossos amadurecimentos, isso é muito bom, mostra que estamos progredindo.
A questão é n deixar que a saudade do passado, torne-se num aprisionamento e inconformismo no presente.

Bjos!

No meu mundo. disse...

Amiga, cara de "abusada" tu ainda tem!!! Kkkk.
Mas não mais que ursinho carinhoso.
Mas é bom crescer, ás vezes claro.
Outras preferia nunca ter saído da minha meninice.
Mas a vida não pára.

Paula Cortez disse...

Adorei...

Sempre me fascinei por esses pequenos momentos, simples acontecimentos em que nos dá um estalo e nos faz refletir sobre algo, principalmente sobre nossa vida, e o espelho é a grande chave para a reflexão sobre nós mesmos e sobre nossas mudanças.!

mt bom...=)

» NaY « disse...

Às vezes também me pego a lembrar da infancia e adolescência... Como é bom que a gente pode mudar e aprender um poco com cada uma das fases que vivemos... =)

Ficou muito bonito o teu texto! ;D

Oa, tem um selo pra ti lá no Janela, ta?

Xerus
=***

Flavinha disse...

A menina tá aí, e continua sendo a coisa-mais-linda-do-mundo, abusada e radiante, pra ajudar a mulher a não esquecer de ser menina também ;)

Beijão, moça linda.

Pripa Pontes disse...

Com certeza kari, os sonhos são o combustível de nossa existência, e tenho certeza que conseguiremos realizá-los!

E quero muito marcar alguma coisa p reunir esse povo sumido! Alguma idéia? Pra mim seria bom algo depois do dia 24, qndo termina minha semana de provas...bom ir falando c o pessoal p saber das disponibilidades :)

Bjos!