segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Era só um almoço...

Estava sem prática. Há meses não saia com ninguém, desde que o Beto foi embora com a Sara (que, por acaso, era minha melhor amiga. Ainda bem que foram pra bem longe). Havia conhecido o Sérgio na casa de uma amiga (apesar de não saber mais, de fato, reconhecer uma amizade). Era sábado à noite, a Paula me convidou pra um jantar e achei que seriamos só nos duas e talvez o Guto (namorado dela).

Mas não. O Sérgio estava lá e também alguns amigos dela. Alguns solteiros e outros não. Sei que foi tudo proposital, e os amigos estavam apenas para disfarçar. Mas sabe, ela acabou acertando. O Sérgio é um homem maravilhoso. Simpático, interessante, e... Sensual... Sim! Ele tinha um corpo maravilhoso, mas confesso que só percebi na segunda vez que nos encontramos, na casa do Guto.

Nas duas noites conversamos bastante. Não interagimos com mais ninguém e a conversa fluiu de uma forma mágica. Eu sabia que a Paula havia contado o que me aconteceu, afinal, o Beto não tinha sido um namorado qualquer, pois moramos juntos por três anos, depois de um ano e meio de namoro, e não foi fácil superar o fato dele ter ido embora do dia pra noite e, ainda por cima, saber que foi com a Sara. Mas, ele não tocou no assunto.

E resolvi não tocar também. Não havia esquecido completamente o Beto, mas, o tempo que conseguia não pensar nele, resolvi que seria sagrado. E, com o Sérgio, eu conseguia nem lembrar o último beijo que dei, ou da última vez que havia transado. Opa! Falei em sexo? Não era essa a intenção, afinal, eu estava apenas conhecendo o Sérgio e, ainda não tínhamos nem ficado sozinhos.

Na casa do Guto, quando vi que estava ficando tarde, resolvi ir para casa. Não queria, mas não podia sair sozinha tarde da noite. Despedi-me de todos, mas, antes de sair pela porta, entreguei ao Sérgio um guardanapo com meu telefone e a frase: “querendo conversar, pode ligar.”. Espero que ele não tenha me achado vulgar ou atirada, eu apenas gostei de sua companhia e ele parecia ter gostado da minha.

Dois dias depois ele ligou. Perguntou o que eu faria no sábado e eu disse que não tinha planos. Ele me chamou para um almoço e confesso que fiquei tranqüila. “Um almoço!” Se chamasse para um jantar, estaria pensando em sexo, mas, se era apenas um almoço, não havia porque me preocupar. Mas afinal, por que eu estava pensando em sexo novamente? Na sexta-feira à noite, ele ligou.

Perguntou se eu ficaria chateada se mudássemos um pouco os planos. Respondi que tudo dependeria do novo plano. Então ele respondeu:

- É que... O restaurante que tentei reservar estava lotado. Sabe como é, final de ano tem sempre confraternizações e é difícil fazer reserva. Então, pensei se o almoço não poderia ser aqui em casa...
Sorri ao telefone. Sabia que não era tão difícil fazer reservas, ainda mais quando final do ano não estava tão próximo assim. E, ainda por cima, ninguém resolve fazer uma reserva um dia antes, não é mesmo? Mas aceitei. Continuei me firmando no fato de ser apenas um almoço. Um almoço não seria nada de mais.

O sábado chegou. Acordei umas nove horas, ele me pegaria as onze. Tomei um banho demorado, molhei os cabelos (gostava quando eles ficavam cacheados e bonitos). A depilação estava perfeita, havia feito tudo uma semana antes. OPA! De novo isso? Mas afinal, se seria apenas almoço, por que eu estava pensando na depilação? Concentração! Eu precisava de concentração.

Abri o guarda roupas e escolhi uma calcinha pequena. Gostava de calçinhas pequenas para sair. As grandes e mais confortáveis, costumava usar em casa. Lembro que o Beto sempre gostava de me ver passeando pela casa com uma calcinha grande e uma camisa baby look. Dizia que eu ficava sexy daquele jeito. Sinto saudades dele. Não deveria. Não depois do que ele me fez, mas ainda é tão difícil...

Não! Definitivamente eu não pensaria no Alberto, nem na Sara e nem em nada do que havia me acontecido nos últimos sete meses. Eu estava, pela primeira vez me sentido bem. Peguei a calçinha pequena e fui procurar um vestido. Percebi que era bom estar saindo pela primeira vez com alguém. Alguém que não conhecia o meu guarda-roupa. Resolvi relaxar e aproveitar o momento.

Peguei um vestido de algodão. Era bonito e confortável. Na frente era estilo tomara que caia e parecia bem “comportado”, na parte de trás, no entanto, havia... Ou melhor, quase não havia pano. As costas ficavam de fora, apenas com um enlaçado do mesmo tecido. Escolhi uma sandália com um pouco de salto, mas não muito. Os cabelos deixei soltos. A maquiagem foi simples, apenas com um pouco de pó, um blush e um gloss com gosto de morango.

As dez e quarenta já estava completamente pronta. Sente-me no sofá e percebi que estava nervosa. Era a primeira vez que sairia com alguém. Não sabia como agir, mas me sentia bem quando estava com o Sérgio e resolvi me agarrar a isso. As onze em ponto, ele tocou a campainha. Abri a porta e logo ele disse: “meu Deus, como você está linda!”. Fiquei um pouco sem graça e o nervosismo aumentou.

Antes de sairmos da porta, ele me deu um beijo na bochecha. Fomos até o carro e logo ele ligou o som. Não em volume alto, apenas como “música ambiente”. A música era do OneRepublic. Gostei do que ouvi. Não era agitado e achei agradável. Fomos conversando sobre a semana. Não demorou muito e chegamos. Ele me ajudou a descer e fiquei encantada com tamanho cavalheirismo.
.
Continua...
.
Kari Mendonça
.
Começei a escrever. Era apenas um post, mas acabou se tornando uma história um pouco grande, porém bastante interessante... Por isso, dividi em duas (grandes) partes. Caso interesse, em breve tem o final...

12 comentários:

Thiago disse...

essas coisas do gostar...

ansioso.

Uma Vencedora disse...

Kari, amiga linda!

Primeiro, eu adoro receber a sua visita e admiro a sua sabedoria com tão pouco idade...

Fiquei interessadíssima no final da história, pois vivo a sonhar em como poderia terminar a minha história, que insiste em ter diversos finais não definitivos....

Amiga, mil beijos...

Janaína

Palavras de um mundo incerto disse...

Bah, Guria,
tô curioso para onde vai se encaminhar esta história. **risos**

Beijos minha querida!!!


Marcos Seiter

Cadinho RoCo disse...

Talvez por tratar-se de um almoço éque a curiosidade ficou co apetite em saber mais.
Cadinho RoCo

Caroline disse...

nãoooo brinca!!

daqui a 15 minutos vc posta o resto né?

diz que sim!!

=D

simmmm??

Érica disse...

Vai dar tudo certo. Ou não?
uhauhauhauhahuuhauha
Cenas do próximo capítulo....
Agora que eles vão transar vão, tô sentindo isso, espero que o Sérgio não magoe a coitada, que não tem nome digasse de passagem, vamos chamar ela de Érica. Tenho uma história partecida visse.
hauhauhauhauhauhauhahuauhauhhua
Te amno coisa linda!
Adorei sua história, e to anciosa pelo continua....
;)

Grazi Sperotto disse...

"caso se interesse"???... óbvio que me interesso em voltar aqui pra ler o fim (ou co começo) dessa história!!!
beijos

Leh disse...

Cadê o final???????????????????? Curiosa!! hehehe

Ana disse...

Esperando o final, viu?

Daniel Foschetti Gontijo disse...

fiquei me perguntando se era uma história real... mas logo percebi que não. quer dizer, é uma realidade que se expressa no seu imaginário, certo? e agora no nosso!

tô querendo ver o final!

beijo!

No meu mundo. disse...

Só tu amiga pra deixar a gente curiosa.

*Lusinha* disse...

Vou lá ler o outro post para ver a continuação dessa história. ;)
Bjitos!