sábado, 15 de novembro de 2008

Pensamentos de uma insônia...

Mariana estava em casa. Não conseguia estudar, pois a cabeça não parava para se concentrar. Não conseguia ouvir música, pois o volume a incomodava os pensamentos. Sequer conseguia dormir. Os pensamentos não a deixam em paz. Decidiu sentar na cama. Pegou um papel, uma caneta e começou a escrever. Não sabia o que era, nem para quem poderia ser, mas escreveu.

"Eu não te conheço há muito tempo. Mas você vive me dizendo que não é mais como foi um dia. Que seus pensamentos, suas atitudes e até a sua forma de ver a vida mudaram bastante de lá pra cá. E eu amo você. Muito. Amo o seu jeito de ser, a sua forma de ver a vida e os pensamentos que você tem, mas ás vezes, não consigo não me questionar sobre quem você deixou para trás.

Ás vezes penso que, talvez, tenha sido uma parte muito boa de você, a parte que ficou. Parte essa que me pergunto se, algum dia, chegarei a conhecer. São pequenas coisas que você me diz que me deixam a pensar. Algumas afirmações e indagações. Me pego pensando coisas que não deveria. Que não me fazem bem. Mas que são inevitáveis. E não me venha dizer que esses pensamentos poderiam ser evitados, porque eu não consigo evitá-los. É mais forte que eu.

Se você soubesse a curiosidade que tenho em saber quem é ela. Ela, que teve tanto poder de te mudar assim tão completamente. Que te fez sofrer tanto, a ponto de duvidares do amor e de temeres o futuro. Quem é ela que ainda te invade os pensamentos, que ainda te magoa, de alguma forma?

Não! Eu não duvido dos seus sentimentos por mim, em nenhum segundo. Mas percebo que, de alguma forma, ela ainda se faz presente nos seus pensamentos. Mas eu fico me perguntando quantas vezes você já disse que a amava? Sim! Pois apesar do que você diz, foi amor, ou não teria te feito sofrer tanto. E, quantos pensamentos sobre o futuro vocês tiveram juntos? Quantos planos? Imagino que tantos..."

Ao terminar, dobrou o papel com cuidado. Sabia para quem deveria enviar. Abriu a gaveta, procurou um envelope e escreveu: "ao meu presente mais belo, com toda a intenção de um futuro ainda mais brilhante". Beijou o envelope. Colocou-o em baixo ao travesseiro e, finalmente, adormeceu. Eram pensamentos. Pensamentos que não deveriam ficar para si, por isso os escreveu...



Kari Mendonça

3 comentários:

Candinha disse...

kaaari! :D tanto tempo q eu n venho aqui.. que SAUDADE!! ^^

e que palavras fortes, Mariana devia ta precisando msmo pôr tdo pra fora..

;**

Abraão Vitoriano de Sousa disse...

ótimo aqui viu?
nos sentimos em casa!

ALF disse...

É sempre bom escrever o que lá dentro te consome e te angustia.
Pelas palavras tão fortes dela, com certeza ela sentiu necessidade de colocar pra fora. Pra desanuviar um pouco a dor que assola o coração.

Bonita história Kari.

Grande beijo menina.
;)