sábado, 8 de novembro de 2008

Se eu morresse amanhã!

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudade morreria
...Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de povir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
...Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n´alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
...Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã...
A dor no peito emudecera ao menos
...Se eu morresse amanhã!


Álvares de Azevedo
.
Manuel Antônio Álvares de Azevedo morreu aos 20 anos.
Escreveu esse poema dias antes de sua morte.
O poema foi lido no velório por Joaquim Manuel de Macedo.

11 comentários:

Flávia B. disse...

Esse poema sempre me entristece...

Beijos, linda!

O Velho disse...

O velho Álvares, tão preocupado com a morte que não viu a lua da Aninha sorrindo pra ela enquanto esperava o sinal abrir...

Feliz é a Aninha!

Muito grato pelos elogios, Kari. Ainda mais, vindo de uma pessoa tão talentosa quanto você! Será sempre bem vinda lá no Velho, viu?

Muita paz!

;-)

Quase Trinta disse...

Apesar de triste, ele conseguiu colocar ainda transformar em palavras sublimes esse momento.
Já eu nem ao menos pensar em minha morte consigo.
Excelente semana pra ti.

Jaya disse...

Kari,

Não te apertou o peito fazer leitura desses versos? Em mim, foi um rasgo. E eu, de sentir, perdi a linha do que comentar.

Uns beijos, moça.

Caroline disse...

tão intenso, né? o poeta das trevas.

o que será que aconteceria se eu morresse amanhã?

:X

beijo!

® disse...

Botando pra fora tb é cultura.

Sou aquariana tb, entao vc é de outro decanato hihi

Bjoca, boa semana!

Paradoxos disse...

um poema nunca é triste e bonito - um poema é um POEMA


gostei dessa deúncia poética, em cada canto - um encanto.

~

abraços em ti

Adriano DiCarvalho disse...

Não conhecia o poema. Obrigado pela oportunidade! Há algo em suas entrelinhas que me deixou aqui a refletir bastante...
----
BJ ENORME, Kari!

*Lusinha* disse...

Fez-me lembrar de é quando nos sentimos mais vivos é que estamos mais vulneráveis a morrer. Fez-me lembrar de meu avô que teve uma súbita melhora antes de ir embora. Fez-me lembrar de tantas coisas.
Bjitos!

Antônio disse...

Esse cara era feliz e não sabia! Olha a fama que ele conseguiu com apenas 20 anos! Eu aqui, com 23, e ainda nem apareci na televisão direito... ¬¬
Porém, não vou falar sobre minha morte próxima, pois ainda quero viver mais algumas décadas.

Beijo, Kari!

Palavras de um mundo incerto disse...

Esse poema é vida.

Beijão!!!


Marcos Seiter