terça-feira, 11 de novembro de 2008

Vai!

Ela estava deitada, quando sentiu que alguém a observava. Abriu os olhos devagar e pode ver que era ele. Escondeu o rosto com as mãos e sorriu. Ele continuou sério. Levantou e foi ao banheiro. Decidiu continuar deitada até ele voltar. Ele demorou um pouco mais que o normal. Achou estranho. Assim que ele saiu, correu para o banheiro. Escovou os dentes e tomou banho.

Ao sair, ele estava sentado na cama. Cabisbaixo e pensativo. Resolveu perguntar o que estava acontecendo, afinal, tudo ontem parecia estar tão bem. "Precisamos conversar", foi a resposta que recebeu. "Não! Essa frase não!" Sabia que, fosse o que fosse, o que estava por vir naquela conversa não seria algo bom. Sentou-se ao lado dele e disse-lhe para começar a falar...

- Tainá, é que... Não ta mais dando certo, sabe? Quer dizer, a gente está tentando fingir que está tudo bem, mas, há muito tempo não está...
Enquanto ele falava, ela ficou quase em choque.

- Desculpa, mas não está tudo bem há quanto tempo? Quer dizer... Ontem você disse que me amava e agora me vem com essa história? Não! Definitivamente eu não quero ouvir.
- Mas eu te amo, menina, é só que, o nosso relacionamento é que não está dando certo. Há dias que estou tentando conversar contigo. Sei lá... Preciso de outro lance, sabe? De uma mudança na vida, de...




- Estou sim Tái! Respondeu com a cabeça baixa. Mas eu não queria que tudo acabasse com mágoas, sabe? Quer dizer... Tudo o que a gente viveu até agora foi tão lindo e eu queria que acabasse da mesma forma.

Nesse momento ela se descontrolou.

- Como assim? Se, como você diz, tudo não está bem há tanto tempo, por que você nunca falou nada? Por que continuou me tratando como sempre? E porque diabos continuou dizendo que me amava? Tem noção que há tempos eu vivo pra você? Tudo que eu faço é pra você ou com você, e você não teve nem a consideração de me dizer que não estava se sentindo bem com a relação? Porque você sabe que não tinha nada errado. O único com alguma coisa aqui é você. Que porra de sentimento é esse que você diz sentir?
- Mas...




- Tái, vamos conversar. Não grita vai!
As lágrimas não paravam de cair. Ele levantou seu rosto ela pôde perceber que ele também estava chorando.

- Então tá! Me conta tudo! Não mente pra mim não... Você ta com alguém, é isso?
- Não Tái! Eu jamais faria isso contigo. É só que andei pensando e não sei se estou preparado pra algo mais sério. Quer dizer, a gente ta juntos há três anos, eu quase que vivo aqui, mas eu quero um pouco de tempo pra mim, sabe? Não tem ninguém e eu não quero ninguém...



- Gui, você sabe que eu não vou ficar te esperando, né? Eu to sofrendo muito em ouvir tudo isso. Mas tá certo! Pode ir viver a sua vida que eu vou me recompondo aqui. Mas depois, não me volta dizendo que já está bem e pode ficar comigo, viu? Vai! E eu fico aqui pensando no que fazer com a nossa "vida genial".


- Tái! Agora era ele quem chorava mais intensamente.

- Vai Gui! Vai viver a tua vida, que eu fico aqui com a minha. Tão perto e tão longe de mim... Vai! Não piora as coisas Guilherme. Aproveita que a porta está aberta. Quer dizer... A porta esteve aberta o tempo inteiro, por que diabos você continuou desse jeito?
Ele levantou o rosto e, antes que pudesse dizer alguma coisa, ela falou:

- Eu não sei o que está te segurando. VAI! Pensa que a porta nem existe e vai. Vai logo, não me deixa mais tempo te olhando aqui e me perguntando o que eu fiz de errado.
- Não fez nada...



- Vai Guilherme. Tá esperando o quê? Você sabe voar não sabe? E, afinal, você sempre sabe voar de volta... Pra mim!

Ele levantou. Ela continuou com a cabeça baixa, quase sufocada com o próprio choro. Ele a beijou a testa. Saiu pela porta. Não era a primeira vez que dizia precisar de um tempo para si, mas, dessa vez, ela não sabia se estava disposta a recebê-lo de volta... Se voltasse... Afinal, num voou, ás vezes podemos nos perder nas nuvens... E ela sabia disso. Talvez fosse esse seu maior medo.


Kari Mendonça
*Inspirado na música "Vai", Ana Carolina.
- Mas nada! Sai daqui Guilherme. SAI por aquela porta E NÃO VOLTA MAIS! VAI EMBORA! Enquanto falava, as lágrimas lhe escorriam o rosto. Sentou na cama como se tivesse caído, sem forças.
- Calma aí! Que onda é essa de outro lance pra viver? Você não pode ta falando sério, né? Falou fitando-lhe os olhos.

10 comentários:

Quase Trinta disse...

Não gosto de finais assim, sempre um lado sofre mais.
Acho que nunca se consegue terminar numa boa, será que é possível???
Dúvido!

Antônio disse...

O brabo é quando o cara se dá conta de que esse "tempo para si" era pura imaturidade, e daí pode ser tarde para voltar a correr atrás. A vida nos passa várias rasteiras, e essa é uma das mais perigosas.

Bela trama, Kari! Beijo!

flávia ruas disse...

Ficar agüentando isso é que é o pior..
beijo

Alle Nascimento disse...

(risos)!
seus coments são os melhores!

abçs...

*Lusinha* disse...

Conforme fui lendo pensei na música da Ana Carolina e aos poucos fui percebendo que você usou frases da própria música... E tem que ser assim mesmo: a porta está aberta. Entra quem quer, sai a hora que quer... Mas só não espere me encontrar sempre que decidir voltar.
Bjitos!

O Velho disse...

Simples, falando de algo comum mas, mesmo assim, muito original!

"Ontem você me disse que me amava". É tão estranho, a gente acha que a pessoa é volúvel, ou que faltava sinceridade e coragem pra dizer a verdade...

Pra mim, o amor não obriga ninguém a estar junto. Se eu amo minha mãe, não quer dizer que eu queira morar com ela pro resto da vida. E o amor é o mesmo, seja com namorados, amigos, parentes, bicho de estimação...

O amor é absoluto!

Muito bom seu texto (como sempre!).

Kari, que bom que gostou do Lótus! Os comentários estão abertos até mesmo para sugerir uma situação, ou sugerir uma idéia pra continuidade, criticar, tentar adivinhar o que vai acontecer, e o que mais tiver a ver...

Beijão!

;-)

Lizzie disse...

Não sei pq, mas quando ouço essa música da Ana Carolina [a que inspirou o post], eu sempre tenho vontade de chorar.
Não gosto de términos, separações ou fins. Acho trágico e triste.

Beijocas
Tenha uma linda quarta!
www.lizziepohlmann.com

O Velho disse...

Ha, ha, ha...

Tá certo, então!

Mas não se preocupe com os finais dramáticos, pois te garanto que o último capítulo será bem conclusivo!

;-)

Marcela ツ disse...

Como assim?
uahuahua

Seu blog ta lindo! E eu com saudaaades de vc!
Muuuito obrigada por sempre passar no Infinito, é muito bom saber que amigas queridas ainda lêem aquele blog!

Agora pára tudo que eu vou falar: esse post e o da Aninha... Jesus, apaga a Luz! Amei Kari. De verdade.
Vc fala bonito demais.

Beijas, menina, e continue iluminada!

Uma Vencedora disse...

Oie amiga...

É, a vida de um casal precisa ser em cumplicidade, precisa andar junto, ao lado, precisa ser boa e perfeita para os dois, e quando não acontece isso, sempre tem um que sofre pelos dois... Experiencia própria!!!

Bjs

Janaína