sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Férias!

Viajar é sempre bom. E acredito que não há quem não sabia disso. Nos quase 20 anos que tenho, nunca havia estado, por tanto tempo, longe de casa. Uma semana sempre foi o máximo, mas nunca foi de boa vontade, confesso. Na maioria das vezes era a minha mãe que como forma de incentivo (como dizia ela, porém, interpretado por mim como sendo obrigada), me mandava para os acampamentos da vida.

Era uma semana que eles duravam. E eram as piores semanas pra mim. Lembro que, num deles, a primeira vez que fui, foi terrível, pois não me deixavam ficar com a minha irmã. Mas oras, ela era a minha irmã!!!! E, por ser mais velha, deveria cuidar de mim, mas nem isso deixavam. Odiei cada segundo.

Na outra vez, lembro que não gostava da “conselheira” (aquela que ficava cuidando de nós). Eu, com meus seis anos, lembro que fiz a maior confusão numa das últimas noites. Era a chamada “noite de gala” e eu me vesti com o meu melhor vestido (havia comprado-o para o natal. Era verde e muito bonito. Não era tão curto, mas era de alcinha) que, por conter “alcinhas” foi barrado do jantar.

Disseram que eu não poderia usá-lo, pois era “costa nua”. Chocada com a situação eu apenas respondi que estava tudo bem. Coloquei a minha pior roupa, uma bermuda grande e velha e uma camisa rosa (lembro como se fosse ontem) e fui para o salão. Todas as pessoas super bonitas e eu parecendo uma esmolinha. Aí, pra não passar vergonha, e depois de muita confusão, resolveram deixar eu colocar o meu vestido novamente. Mas, pra falar a verdade, não lembro se coloquei ou não...

Enfim essa é uma das raras vezes em que viajo sozinha e para passar tantos dias. É bom para repensar a vida, para se recuperar de alguma mágoa deixada em casa. É bom para decidir começar novamente ao voltar. Ou melhor, não gosto de pensar na volta. Sei que é inevitável (por enquanto), mas dói. Voltar pra realidade sempre dói um pouco.

O que importa é que os últimos dias veem (ortografia nova, vai entender) sendo mágicos. Fui ao teatro e assisti a peça “Homens de perto”, simplesmente muito boa. Daquelas pra morrer de rir, sabe? Com uma história muita boa e atores gaúchos também ótimos. Também fui ao cinema e o filme “Se eu fosse você 2” está tão bom quanto o primeiro. Vale a pena!

Também ando passeando bastante por essas terras gaúchas. Os parques daqui são maravilhosos. Admiro essa cultura de parques, sabe? Lá em Recife eles são pouco valorizados e as pessoas só pensam em shopping e praia. Tá! Ir pra praia é legal, mas as vezes não tem tanta graça (e isso só entende quem mora no litoral, mas acredite, é verdade).

Pra terminar, depois de dias sem dar as caras, sem saber o que escrever, resolvi aparecer pra contar um pouco de como andam as minhas férias. Férias essas que estão sendo bem diferente de todas as outras (desde o começo) e que estão sendo inesquecíveis.

Era isso. Beijos!
Kari Mendonça

3 comentários:

::Lone Wolf:: disse...

Que bom que se divertiu na viagem. Foi algo novo, então. Eu também moro no litoral, sou de salvador. E não sou muito chegado a praia não. Fora isso, aqui só tem shoppings também. Bom, tem o Centro Histórico, que andei visitando recentemente. ^^
Eu gosto muito das cidades e da cultura do sul. Talvez um dia eu me mude para lá.

Beijos.

∆٭♥∞

Eu® disse...

Com chave de ouro suas férias fechariam se por acaso nao fosse verão, acompanhada de um chimarrão quentinho,
casacos e chales. Tudo parece tao mais romântico no inverno, na minha impressão.

Eu sou dessa cultura ´parquística` hehe (inventei essa palavra agora), adoro fazer caminhada em um, sentar no gramado, olhar as pessoas, enfim.

E pense naquela despedida que te disse uma vez, pensando no retorno, em matar saudades, nada de tédio em pensar em voltar.

Que venham dias mais maravilhosos ainda pra vc nesses dias.

Um beijoca

Marcus Vinícius da Silva disse...

Ah, que pena!

Mas acho que da próxima vez que tu vier vai dar pro Antônio estar junto, dessa vez ia ser difícil por que ele tá passando a maior parte do tempo na fazenda.

Enfim, uma hora a gente vai se ver, não podemos fugir para sempre...

Uma hora eu volto pra ler opost, agora to meio cansado (de não fazer nada, hahahaha).

Beijão!