sábado, 11 de abril de 2009

Ela era uma sonhadora...

Maria levava uma vida simples. Sem luxo, e sem grandes expectativas. Sempre teve sonhos, dos mais variados, mas sempre soube que nem todos poderiam ser realizados. Era uma sonhadora, mas não sabia se isso era bom ou ruim. Chegava a passar noites sonhando o que faria se recebesse, por exemplo, aquele dinheiro da Mega Sena. Os planos eram tantos... E os detalhes também.

Imaginava ser como aquele ex. carroceiro que é hoje dono de um grande império. Queria vencer na vida e provar a todos que duvidaram que ela fosse capaz. Mas ás vezes, no entanto, nem ela sabia se, de fato, era capaz de conseguir tudo aquilo. Ou tudo o que não fosse tão extravagante. Maria não sonhava o tempo inteiro, apesar de sonhar muito. E, o mais importante, ela sabia a hora de parar.

Havia dias em que acordava tão triste e desiludida. Não queria levantar da cama e se deparar com aquele monte de nada que tinha para fazer. Via o tempo passar, os meses... E não via as coisas acontecerem. Há tanto tempo parecia se sentir preparada para a vida adulta, mas a vida não parecia muito disposta a deixá-la crescer e agir como “gente grande”. A maioria das pessoas não acreditava nela. E quando ela dizia que estava sim tentando e procurando, eles a olhavam de lado.

E certos olhares a faziam se sentir tão mal. Alguns comentários também. Certa vez, um amigo chegou triste e foi conversar. Falou o quanto estava desiludido, a procura de algo e, quando ela disse que também se sentia assim, ele comentou, “é, mas tu não queres de verdade.”. E aquilo foi como um punhal em seu peito. Ela queria e procurava, ela apenas não conseguia. Mas as pessoas sempre tinham algo a dizer. Algo que, nem sempre, ajudava.

E, aquele domingo, era um daqueles dias. Passou a manhã inteira na cama. Não estava dormindo, mas não queria acordar. Ficou deitada, pensando em inúmeras coisas, sonhando com outras e, ás vezes, cochilando. Não queria que o dia começasse, por isso tardou o quando pode. Não queria se deparar com “tudo”. Aquele era um dos dias em que ela achava que tudo daria errado. Não no dia em si, mas em toda a sua vida.

Quando acordou, não ainda definitivamente, lembrou que era dia sete de março. “Meu Deus, já estamos em março e eu ainda nem sai do canto!”, pensou com dor na alma e lágrimas nos olhos. Como poderia, daqui a um ano e meio, fazer o que tanto queria? Como poderia fazer aqueles planos? Sim! Algumas das coisas não eram apenas sonhos, eram planos. Queria uma família, uma casa. Queria alguém especial ao seu lado.

E, por mais que ela insistisse em fazer planos, ainda assim, tudo parecia tão distante. Queria se convencer de que tudo ficaria bem, mas não podia, não tinha certeza para convencer nem a si mesma. É verdade que ela achou que algumas coisas seriam mais fáceis, mas nunca imaginou que pudessem ser tão difíceis. Havia quem lhe dissesse para ter fé. Maria tinha fé. Mas, nem por isso, deixa de se sentir triste alguns dias.

Tanto tardou para o dia começar, e tão logo ela quis que ele acabasse. Não gostava de se sentir daquele jeito. Preferia os dias em que acordava sorrindo, e sabendo que tudo daria certo. Que tudo aconteceria como planejado e que todas as coisas seguiriam seu tão sonhado rumo. Mas, aquele domingo, definitivamente, não era um daqueles dias...



Kari Mendonça

11 comentários:

Gabriela Magnani disse...

Sonhar as vezes é bom. Mas gaste mais tempo realizando do que sonhando!

C. disse...

Penso que o único motivo que a fazia ter dias assim, é que ela nao tinha paciência para esperar as coisas que definitivamente tem sua hora e dia certos para chegar.

Simples Assim... disse...

Eu entendo muito bem o que Maria sente. Entendo a insatisfação por não estar vivendo o presente que queria e a angústia por não se sentir construindo o amanhã que deseja. É mesmo um círculo vicioso. Algumas pessoas não sabem simplesmente existir, precisam se sentir vivendo plenamente e quando não sentem isso vão "secando", murchando, e isso as deixa com menos força pra sair daquela situação. Não é à toa que as pessoas mais intensas, que transpiram vida em alguns momentos, em outros se deprimem tão intensamente também. Mas sabe? Acho que apesar dos sopros constantes, a chama continua acesa, em algum lugar, e quando as coisas parecem mais difíceis é essa mesma luz que acaba te guiando até a superfície, nem que seja só pra respirar um pouco. É essa luz que faz os sonhos sobreviverem. E, se Maria ainda está sonhando, a qualquer momento ela pode criar coragem, pegar o resto das forças e abrir os olhos.

Lindo post. Bjs !!!

Marcus Vinícius da Silva disse...

Tem dias que eu me sinto insportável, e olha que nem tenho um ciclo menstrual pra culpar. Sei que o caso da Maria não é esse, por isso a única coisa que ela pode fazer mesmo é saber que pelo menos em alguns dias existe a esperança de acordar achando que tudo é possível.

Mas será que não é possível acordar assim sempre? Ou sempre mudar para esse tiupo de visão?

Enfim.

Beijão!

Cαmilα ♥ disse...

Domingo é dia morno. Que custa a passar quase sempre pra mim.
Dia de reflexões da semana...
Ou
DOmingo é dia temperado. Que passa muito rapido pra mim. Dia de almoçar com minha familia...

Acho mesmo que não é falta de fé, mas as vezes esperar cansa e doi. É preciso muita perseverança.

BeijOs querida

Érica disse...

Eu vivo e sobrevivo dos sonhos.
Eu sou tão mais feliz neles.
Beijos

ALF disse...

As vezes é tão difícil acreditar que os sonhos que temos irão um dia se realizar. Os dias, e o tempo pesam na gente, de verdade.

Também não gosto de me sentir desse jeito.

Beijos Kari

Katarine disse...

Tipow,
super me identifiquei!
bjos!!

candy disse...

Kari, nao sei se vc percebeu, mas esse post tem tudo a ver com o post passado.
E 'se' eu tivesse lutado um pouco mais? e se eu tivesse deixado aquele curriculo em tal canto? e se eu tivesse jogado na mega sena?
E se? e se? e se?

Um ano e meio pode passar rápido, num piscar de olhos e nada mudar. mas um ano pode ser tão produtivo que vai demorar a passar, os objetivos vao sendo alcançados aos poucos.
Entendo totalmente querer tudo rapido, agora, "viver tudo que há pra viver", mas nao temos como controlar tudo. Tvz nao de pra ter sua familia, sua casa e seu alguem especial do lado, em um ano. Mas isso tudo que vc quer nao vai sair correndo porque vc nao conseguiu na exata data da sua vontade.
Se Maria for tão determinada e forte quanto minha amiga Kari, ela vai conseguir isso e muito mais.

E que nossos ouvidos só sejam abertos para quem possa nos ajudar.

*oq eu disse nao é autoajuda, é opiniao sincera, vc sabe.

beeeeeijoooo

*Lusinha* disse...

Hoje tô me sentindo um pouco como a Maria... Achava que algumas coisas seriam mais fáceis, mas Deus, como estão difíceis... E eu tenho fé, mas isso não tem me impedido de me sentir triste...
Vai passar! :)
Bjitos!

Libélula da Noite disse...

Também não tenho paciencia para esperar o que quero chegar a seu tempo...
Quero adiantar e com isso acabo não vendo os dias passarem, e quando acho que o tal momento chegou, ele não chega...

Dificil vivier...
bjs