terça-feira, 18 de agosto de 2009

Manhã de sábado

Havia chorado na noite anterior. Dormiu chateada, pois não gostava quando ele parecia ignorar seus sentimentos. Acordou com os olhos um pouco inchados. Virou o corpo e o olhou. Ele dormia sem camisa e estava coberto por um fino lençol. Ela o admirou. Como era bonito aquele rapaz ao seu lado e como o amava! Sorrio para ele, mesmo que ainda estivesse dormindo. Tentou lembrar o que a havia chateado, mas não conseguiu. Continuou deitada e olhando-o. Não demorou muito e ele acordou.

Sorriu, ao perceber que ela o olhava. Tento mais uma vez lembrar o motivo do choro, queria falar para ele, mas ele foi chegando perto... Com todo seu corpo, aproximou-se e a envolveu em seus braços. Ela se sentiu querida, amada. Beijaram-se. Começou com um simples beijo, mas se transformou num beijo cheio de desejos. Ela passou a mão por aquele corpo que a pouco, admirava. Percorreu seu tórax, seu quadril, até chegar onde queria. Sentiu que ele também queria e acariciou com as mãos. Ele gemeu, e beijo pareceu mais devorador.

Ele a desejava. E por um instante, ela ainda tentou tentar lembrar-se da noite anterior, mas sequer tentar ela conseguiu. Ele a envolvia de um jeito tão... Tão bom! Para retribuir a caricia, ele começou a beijar-lhe o corpo. Começou pela nuca, com um chupão forte, desceu para os ombros, até chegar aos seios. Ela gostava daquele beijo melecado e quente. Ele continuou descendo com a boca, até chegar à região que separa a cintura do quadril. Beijou-a intensamente, até que parou.

Quando a olhou, ela estava com olhos os cheios de desejos e o corpo todo arrepiado. Ele sorriu. Ela gemeu. “Posso?”. Ele perguntou. “Vem!”, respondeu ela, com um sorriso nos lábios e um olhar um pouco tímido, um pouco excitado, um pouco de tudo. Ele a penetrou, enquanto a olhava firme. Ela gemeu mais uma vez. Ele também. Ela puxou seu corpo para perto. Gostava de senti-lo sobre si. De sentir seu corpo quente, seu cheiro, seu hálito. E enquanto ele embalava aquela transa, ela o desejava ainda mais.

Ambos gemiam. Era tanto prazer... Ela então sussurrou, “que tesão!”. E ele não parava e ela não queria que parasse. Ela o olhava e gostava de ver aquela expressão que ele fazia quando sentia desejo. Gostava daquele cheiro de sexo. De quando ele a possuía. Ela gemeu mais forte. O prazer havia chegado até onde podia chegar. Ele sorriu. Também gostava de olhá-la durante o sexo. E ele não parou. E ela o apertou com os abraços para sentir seus corpos colocados. Ele continuava mais e mais rápido. E o prazer de ambos só crescia. Mesmo quando parecia não poder mais crescer.

Quase sem sentir seu corpo, ela o apertou sobre seu corpo. Ele gemeu. Ela sentiu o prazer escorrer por seu corpo. Ele estava cansado. Ela o abraçou. Ele, ainda sobre seu corpo, apoio a cabeça em seus seios. Ela o acariciava as costas. Ambos estavam com a respiração fraca. Resultado de um prazer intenso e satisfeito. Não demorou muito e ele saiu, devagar, do seu corpo. Deitou-se ao seu lado e no mesmo instante, ela apoio a cabeça em seu peito. Gostava de sentir o coração dele acelerado em seu rosto.

Em poucos minutos, ambos estavam dormindo novamente. Ela abriu os olhos e, sem querer, lembrou o que a fez chorar na noite anterior. Resolveu não dar importância. O que havia entre eles, era mais forte do que qualquer bobagem do dia a dia...

.Kari Mendonça

10 comentários:

Maria Fernanda disse...

Que lindo tudo.

Cαmilα ♥ disse...

Kari, minha querida...
Fico sempre impressionada com a maneira que cria cenas tão lindas quanto reais.

Que o amor seja sempre maior.

Um beijo!

meus instantes e momentos disse...

muito bom, muito bom.
Parabens pelo texto.
maurizio

Agostinho Lopes disse...

Que história... Intensa! Vi e vivi as cenas...

Então também "és Nassau"? Que legal... Vamos nos ver por lá qualquer dia... TO no Bloco A. Se por acaso tiveres Orkut, no "Salada" tem o link. Me add por lá ou me manda um e-mail em agostinho.lopes@gmail.com

Parabéns pelo texto.

Abraço

*Lusinha* disse...

Num portugês claro?
Concordo que às vezes a gente só precisa de um bom sexo para seguir em frente. :)
Bjitos!

Érica disse...

Lindo minha amiga!
Como consegues?
Uma linda narrativa-descritiva-poética. E eu nem sei se isso existe, mas se não existe, acabastes de criar.
Amo você ok?!
E esse seu coração fabuloso.
Beijos

Very Barbosa disse...

Ui! Que forte.. arrepiei!
De onde brota tanta inspiração?
Adorei!!!

Vou te acompanhar, ok?!

Bjbj,
Very (http://verybarbosa.blogspot.com)

Carol * disse...

"Bobagens do dia a dia..."
:)
Que texto lindo. Muito lindo. Sei lá porque o amor tem dessas coisas: mesmo quem não ama, fica boba com o amor alheio (nem que sejam de personagens). É isso que faz com que os livros sejam vendidos, é o amor.


:*
beijos!

Adir disse...

Kari,
Hoje, você recebeu o selo Fique de olho nesse blog do Quero que voce leia (http://queroquevoceleia.blogspot.com/)
Se decidir postá-lo aqui, vá lá e confira as regras.
Parabéns! Seu blog é demais!
Adir

Quase Trinta disse...

uau, arrepios aqui... e uma vontade imensa de sentir todo esse desejo por alguém novamente.

bjs e ótimo final de semana