segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Sobre o que escrevi...

Escrever, é maravilhoso para passar o tempo. E como li em um blog recentemente, escrever é como fotografar, pois, com as palavras você está guardando momentos, pensamentos, lembranças, saudades e até dores. Confesso que, ao não saber o que escrever, resolvi procurar algo já escrito. Reli frases de vários contos e, por cada frase, lembrei-me dos contos completos. Tentei colocar novamente algum, mas não me identifiquei com nenhuma daquelas cartas.

Já escrevi sobre músicas e até fiz um pedido de casamento. Já acabei relacionamentos das formas mais dramáticas possíveis. Já destruí uma relação que parecia perfeita, justo no dia do casamento. Já coloquei a morte para separar amores e até mãe e filho. Já escrevi sobre o quanto esse mundo me decepciona e o quanto eu queria mudar tudo isso, ou simplesmente sobre como andava a reforma da minha casa (assunto esse que, por respeito aos leitores, venho em breve contar-lhes como terminou). Já escrevi cartas que não foram contos, mas que os verdadeiros destinatários jamais irão ler. Já escrevi sobre minhas dores e meus amores. Sobre minhas saudades e meus sonhos. Já escrevi sobre coisas injustas e pensamentos confusos. Já escrevi poemas sem nexo e alguns até bonitinhos. Já escrevi sobre os amigos que tenho, os que tive e os que me fazem falta. Já escrevi sobre meus medos, e sobre dias perfeitos que imaginei. Já escrevi entre lágrimas e sorrisos. Já escrevi só para justificar a ausência ou para falar que voltava logo. Já escrevi enquanto viajava e sobre viagens. Já fui muitos dos meus personagens e não tive nenhuma ligação com vários deles. Já escrevi o que não conseguia dizer pessoalmente e o que jamais direi.

Foram tantas as coisas que escrevi, que já perdi as contas. Já escrevi para chorar mais e parar definitivamente junto com o ponto final. E já escrevi só porque estava feliz demais para fazer qualquer outra coisa. Já corri para escrever depois de uma briga. E já escrevi para pedi desculpas. E a prova de que escrever é guardar é que hoje não me identifico com tantas coisas escritas. Penso que posso escrever melhor e que republicar talvez não seja a melhor opção.

Inúmero dos meus contos são apenas contos. Vários deles, entretanto, são o meu reflexo. Muitos são os que não levam a sério, mas escrever limpa a alma. Tanto limpa que há um assunto específico que ainda não escrevi. Mas que daria uma bela história, apesar de triste. Mas, cada vez que penso em escrevê-la, as lágrimas atravessam-me de uma forma tão intensa, que sequer, consigo tentar. Talvez, quem sabe, eu conte um dia... Ou talvez, morra comigo essa pequena dor. Os meses passam, mais ainda não me sinto preparada. Diferente de tantos outros acontecimentos, ainda não consegui sentar para escrever, desabafar...

Escrever é guardar os momentos da forma mais bonita e mais poética. Porque poesia, não é feita apenas em versos, mas é feita com o coração.


Kari Mendonça

12 comentários:

Érica disse...

Kari meu amor, pode ter certeza que até na beleza dos teus contos, que são penas contos, tem tua essência linda neles.
Por isso que amo esse teu espaço e você minha amiga querida.
Beijos

Hesíodo Góes disse...

Nossa!!! linda essa pequena mostra de seu coração. A verdade está presente nele o tempo inteiro. assim como escrever é fotografar...fotografar é escrever não somente com a luz mas sim com toda organização de palavras que conta em nosso imaginário. Gostei muito de seu post.
bjs

candy disse...

Kari, não ando comentando aqui por puuuura preguiça, apesar de SEMPRE ler tuuuudo que vc escreve e SEMPRE ter um monte de coisa a dizer!

E, sei lá, as vezes fico pensando que quem escreve, tem um olhar diferenciado do mundo (nao necessariamente melhor).
As vezes colorimos, as vzes pintamos de preto.
O mais importante é que conseguimos "botar pra fora" o que, as vezes, está tão dentro.

ficou lindo o post!
hihi ^^

ei, to esperando seu email, viu?
esqueci dele nao!

beijããooo

Dona Poesia disse...

E continue a escrever, pois gosto muito de ler seus artigos. Quero dar os parabéns para o novo visual do blog, está alegre, bonito, cheio de vida e promessas de novos desafios, assim como a dona do blog!

Quase Trinta disse...

Escrever é libertador, seja o assunto que for...

bjs

Leh disse...

Ainda bem que gostas de escrever! Pq eu adoro ler o que escreves. Beijos

Marcus Vinícius da Silva disse...

Escrever limpa a alma! Fato!

Comecei hoje a escrever uma espécie de diário para entre outras coisas fazer isso mesmo, limpar a alma e enxugar as lágrimas ainda não choradas. É bom mesmo, a sensação de leveza é ótima também.

E que sorte que percebeste mudança no teu jeito de escrever (e, consequentemente, em ti mesma), por que temo sem mudança é um baita desperdício de tempo.

Beijão!

Auíri Au disse...

Como você mesmo disse é fotografar com palavras...
Amo..
Beijos

Hugo Simões disse...

Concordo e me identifico muito com seu texto, meu blog também está cheio de "fotos", as quais me divertem e me trazem saudades.
Beijos Kari!

Jaya disse...

Li-ber-da-de!

É isso o que a gente encontra nas letras. Nas palavras. No que a gente cria. No que a gente é.

Liberdade.

E ainda bem que você escreve pra gente, Kari. Ainda bem.

Um beijo!

meus instantes e momentos disse...

muito bom tudo aqui.
Parabens.
Maurizio

Ana Karenina disse...

oi kari

é como costumo dizer:

escrever é uma terapia, e escrever em blog é uma blogoterapia.

nossos escritos são nossas idéias e por isso são escritos ideológicos.

escrever é uma formar de transcrever nossos pensamentos, emoções e vivências.

escrever é uma forma de eternizar e internalizar nossos momentos, sentimentos e pensamentos...

escrever é isso: é botar tudo pra fora!

bjs