quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Desabafo

Hoje, a desilusão me bateu a porta. Há dias sinto a sua presença por perto, mas apenas hoje paramos para conversar. Sua presença sempre me deixa tensa. Triste. E irritada. Mas não tem como evitar e, vez ou outra ela volta, aparece, ou, manda lembranças. Há duas semanas comecei a trabalhar. Não em algum estágio, mas em um trabalho. Estou numa academia e sou meio que uma recepcionista e atendente de telemarketing. Faço um pouco de cada e nada de jornalismo. Não escrevo. Não estudo. Não leio nada além de nomes e telefones. Na verdade, eu quase não converso com ninguém. Não é a toa que hoje ouvi algo como, “é que tu fica tão caladinha que esqueço de tu”.

Pois é. Parece que eu não consigo falar muito quando não estou muito a vontade. Por favor, não venha pensar que tenho algum preconceito contra qualquer profissão ou trabalho. Acho que trabalhar já é algo louvável (enquanto muitos roubam), então, respeito e admiro qualquer trabalho. Mas, enquanto estou lá, procurando fichas e fazendo telefonemas, eu percebo aquele bando de estudantes de Educação Física. Todos estagiando, aprendendo e colocando em prática aquilo que aprendem na faculdade. Nesse momento, eu olho para mim e percebo que estou longe de ser como eles. Acabo a faculdade no ano que vem, em dezembro, e ás vezes tenho a sensação de que vou sair de lá só com o que aprendi lá dentro.

E que fique claro que, desde que entrei na faculdade, estou sempre enviando currículos, me escrevendo em sites para estágio e procurando algo para aprender. Mas o fato que eu não tenho experiência e por isso a procuro. Entretanto, todos procuram pessoas com experiência. E aí eu fico sem saída. Se eles querem experiência, mas não dão oportunidade, então, como vou conseguir experiência? Já me perguntei onde poderia comprá-la, mas parece que não está a venda. Assim, eu continuo com a minha frustração e desilusão. Vou continuar num lugar que não tem nada a ver comigo (por motivos pessoais, eu tenho verdadeiro trauma de academia), onde não aprendo nada e aonde vou só passando os dias.

Daqui a pouco me formo. Mas fico pensando... Como será estar formada e ainda assim não ter a tão falada experiência?


Kari Mendonça

7 comentários:

Hesíodo Góes disse...

Um grito cego

Katarine disse...

Kari, quando comecei a estagiar estava dentro de uma empresa de comunicação, mas não fazia NADA relacionado ao jornalismo.
Achei melhor optar pela graduação quando me senti "uma máquina de repetir".
Meses depois, minha ex-chefe me colocou dentro da tv.
Tudo bem, não acho que uma academia seja o caminho mais curto para a experiência, mas... continue tentanto. Não perca a esperança.
Já tentou assessorias, produtoras, rádios comunitárias? às vzs vc não vai ter remuniração, mas vai ganhar a tão DESEJADA experiência.
Bjos e fica com Deus, sem perder a esperança!!

Luciana disse...

É Kari,

Vc sabe que eu já passei exatamente por essa experiência. O que tenho pra te dizer é que realmente você vai sentir muito isso, muitos dias vai pensar nessa tão frustrante desilusão e pedir por favor o caminho da experiência. Mas saiba que a academia também vai te dar experiência. Pois responsabilidade e obrigações são coisas que todos precisamos vivnenciar e cada vez mais para todo dia acordarmos uma pessoa melhor e mai experiente com a vida. Mas continue na procura pela outra experiência, aquela na qual vc colocará em prática o que aprendeu na teoria. Não desista não, você chega lá.

Beijos

*Lusinha* disse...

Kari, infelizmente não consigo pensa rno momento em palavras de incentivo e de conforto. Acho que nessa situação eu estaria muito chateada também, preocupada com meu futuro.
Mas se adianta, uma coisa eu garanto: você vai se achar! :)
Bjitos!

Jéssica disse...

É uma questão que eu nunca entendi, nem me conformei, e acho que vou morrer com isso. Eles dizem que precisam de gente jovem, com sede de trabalho. Mas esbarram nessa afirmação procurando gente só com experiência. De que adianta, então? Experiência só se consegue com trabalho, e para ter trabalho é preciso que eles lhe contratem. É ou não é?

Qualquer pessoa, seja jovem ou adulto, ficaria nessa corda bamba. Depois reclamam que o desemprego no brasil é demais... ninguém ajuda, também, né?

;**

Anônimo disse...

Kari como vai? Estou com saudades de seus recadinhos no meu blog.Mas ele não existe mais, ao menos aquele, o dona poesia. Foi um ciclo que fechei, digo, o blog, não o fato de eu amar literatura. Vou continuar escrevendo e tentando me comunicar, é meu destino, ou meu fado, como dizem os lusitanos.
Kari conheço filhas de amigas que se formaram em jornalismo. Elas hoje exercem outras profissões, uma inclusive trabalha de secretária. Outro dia tentei falar de artes com ela, a moça não sabia do assunto, não mostrou conhecimento. Enfim, não tem dom para comunicação. Eu mesma tenho uma sobrinha que fez cinema, e trabalha dando aulas e fazendo sites, além de cuidar da parte informatizada de uma prefeitura . Enfim, nada a ver com cinema. Pessoas que escolheram mal seus cursos, não tinha dom para a coisa. Mas em você eu sinto um verdadeiro dom para a área do jornalismo. Vc gosta de escrever, é antenada, escreve sobre assuntos variados e tem o dom da comunicação. Haja vista que seu blog é bem visitado.
Não fique triste nem desista. Vc será uma jornalista bem sucedida. Quando terminar seu curso comece a escrever para esses portais da Internet, pode ser uma porta aberta. Vc já deve ter percebido que eles têm carências de bons profissionais, basta ler certas chamadas de capa, ou seja quando abrimos certas páginas, têm erros brutais nas manchetes.
Eu tenho dois curso superiores, estudei Pedagogia e Letras, e hoje empilho livros em uma biblioteca, mas já trabalhei anos como professora, infelizmente não consegui ser o que sempre sonhei: uma escritora. Sei que a idade pesou, pois só tive coragem de escrever na idade madura, antes eu escondia meus textos. Hoje a minha idade fecha as portas, infelizmente eles querem pessoas bonitas na literatura, tem isso também. Não faça como eu, não deixe seu sonho passar.
Um beijão pra vc, da Neve.

Cαmilα ♥ disse...

Kari
Torço para que consiga um estágio. Seria ótimo se pudessemos comprar experiencia. As empresas exigem, mas dificilmente dão oportunidade para adquiri-la.
Contraditório, neah?!

Fé amiga, logo consiguirá.
:***