quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Mais leve!

Como eu bem informei, não fui embora. Apenas precisava esfriar um pouco a cabeça. E sabe como hoje eu tive certeza de que estava melhor? Quando acordei, às cinco da manhã, e percebi que não estava com olheiras. Senti-me mais leve e desse jeito passei o dia inteiro. Sei que a vida tem dessas coisas e que ainda vou ficar assim várias outras vezes nesse meu longo (assim espero) percurso que é a vida. O caso é que eu não sei fingir que está tudo bem. Se não estou bem, eu choro. Se algo deu errado, eu me irrito. Se algo não sair como planejado, eu me desespero. Não é o melhor jeito de viver a vida, mas é como tenho conseguido levar nos últimos anos.

Se eu estava triste e desesperada pela tal da experiência, já não estou mais. Sim! Eu descobri onde comprá-la. Ou melhor, não vou pagar nada por ela, mas também não vou receber. Mas sabe, eu descobri uma coisa: quando queremos muito algo, não devemos jogar nenhuma oportunidade fora. Qualquer experiência é válida. Aprender é fundamental para crescer. E, se não recebo nada hoje, é essa experiência que vai me ajudar a receber mais amanhã. Não entendeu? Eu explico. Lembra que eu estava trabalhando numa academia? Pois bem... Fui pra lá pensando apenas em receber, pois sabia que não tinha nada relacionado com a minha área.

E então, eu me dei conta de que não vale nada receber um bom salário, se me sinto frustrada e se não vou crescer onde quero. Então, segui o conselho de uma amiga e resolvi correr atrás de aprendizado. Quero crescer, quero saber mais e quero fazer melhor. Na sexta-feira, terei meu último dia na academia. Já estou ensinando quem ficará no meu lugar e estou me sentindo leve. Na terça-feira, começo a apresentar um programa na Rádio Universitária AM. Começarei apenas com um suplemento musical para me acostumar com o ambiente, pegar o jeito da coisa e então, em seguida, começarei a apresentar um programa como sempre quis, com músicas e notícias (e por falar nisso, até agora o nome do programa é Música & Notícia).

Parece que agora as coisas estão seguindo um caminho melhor. Sinto-me bem, e penso que estou indo pelo caminho certo. Agora, é deixar as coisas seguirem seu rumo.


Kari Mendonça

8 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Tudo vai bem quando respiramos o bem em nós mesmos.
Cadinho RoCo

Agostinho Lopes disse...

Parabéns, Kari, por seguir seus instintos e correr atrás de seus sonhos, para torná-los reais.

Quem faz assim, sempre vence!

Jéssica Mrás Garcia disse...

Fazer algo que a gente não gosta definitivamente não é legal. Parabéns pra ti, tomare que de tudo certo. E parece que vai dar.

Érica disse...

Gente xique é outra coisa.
Tá na hora de começar a fazer o mesmo, ficar parada esperando o tempo passar não leva ninguém a nada, e eu acabei me acostumando aqui. Parabêns amiga!
Beijos

Lusinha disse...

Acho que já deu para perceber que somos um pouco iguais nesse quesito de mostrar o que estamos sentindo, né?
É bom saber que as coisas estão se ajeitando dai... Espero que a fase pesada pra mim passe, assim como passou pra você. :)
Obrigada pela força lá no blog, de verdade! ♥
Bjitos!

Jéssica disse...

Ai, cara, sou louca para conseguir minha vida, ir assim, sabendo que estou no caminho certo. Louca, louca para fazer o que gosto e pelo menos receber alguma coisa com isso. Sérião. =/

Toda sorte do mundo para você! :D

;**

Simples Assim... disse...

Menina, que coincidência, vc estava lá no Impressões e eu aqui, só que a tela travou e eu tive que fechar e abrir denovo. Quanto a seu post, acho que vc está coberta de razão. Ainda é muito cedo pra vc se "vender", acho que é uma boa investir no seu talento, tentar progredir na área que vc escolheu.

Viu o banner? Adorei. Faz tempo que eu queria colocar alguma coisa sobre doação lá, mas queria algo que me tocasse. Obrigada, querida. Bjs.

Agostinho Lopes disse...

É Kari... No fundo, nós, o povo, onde também (infelizmente) estamos incluídos, faz por onde merecer essa mer&* que tá aí...

O resultado já era esperado, mas alimentava um mínimo de esperanças, que desse diferente...

Agora que vai ter neguinho "se fazendo".

Dia desses, através de um cliente, tomei conhecimento de como é difícil vender algo às empresas de Suape. Tem "primeiríssimo escalão" que determina de quem se pode comprar... Imagina nessas obras de Copa, de Olim-piadas, etc...

Oh paisinho de merda!