sábado, 6 de fevereiro de 2010

O encantador de sonhos (Parte III)

Para entender melhor leia "Sobre o Casamento" (Parte I) e (Parte II).

No último sábado acordei cedo. Estava ansiosa. Não consegui tomar café e saí apenas com um copo de leite. Chegamos ao Buffet e o dono ainda não havia chegado. Sim! Iríamos conversar com o dono, o que, querendo ou não, nos deixou mais a vontade. Enquanto ele não chegou, nós não apenas esperamos (digo nós, pois fui com meus pais). Nós experimentamos. Um casamento iria acontecer ás dez horas, mas como o padre disse que não ia sair da igreja, a recepção ficou destinada para ás onze horas. Obviamente isso não aconteceu. Quando saímos, umas onze e pouco, ninguém havia chegado.

Mas voltando a degustação... Enquanto conversávamos, apareceu um prato com canapés. Minha nossa! E eu lá sabia o que era canapés (que na verdade agora se chama “blinis”). Resolvi arriscar. Era um pãozinho cortado com um creme e um camarão. No outro havia um creme (de outra cor, o que supus que seria outro gosto) e uma pimenta de bico (ou seja, que não queima). Resolvi experimentar e me arrisco a dizer que até a presente data eu nunca comi algo tão gostoso. Ainda hoje penso naquele gosto. Naqueles, melhor dizendo. Realmente, apesar de parecidos, os canapés (ou “blinis”, como queira) tinham gostos diferentes. E eu nem sei dizer quem era o mais gostoso.

Minutos depois apareceram mini tortinhas. Uma delas parecia a torta que a minha bisavó fazia e, claro, gostei demais. Depois surgiram alguns folhados e, apesar de não ser muito fã, até o de bacalhau era gostoso. Então vieram as frituras e me encantei com o fato de todos não serem feitos com a mesma massa. Acredite, já fui a um aniversário onde a coxinha tinha o mesmo gosto do bolinho de queijo. Mas lá não. Cada um tinha seu gosto particular. E que gosto!!! Queria que meu noivo estivesse lá. Ele iria gostar tanto quanto eu. Mas experimentei por nós dois, para que ele não ficasse chateado.

E, por último, chegaram eles: os docinhos. Sim! Apesar dos canapés terem sido maravilhosos, são os doces os que eu mais admiro. É neles que eu penso quando estou aperriada, triste, feliz... Sou louca por doces. Não que isso seja uma coisa boa, mas é a verdade. Entretanto, confesso, não gosto muito dos famosos “doces finos”, prefiro os tradicionais como brigadeiro com granulado, surpresa de uva, bem casado (aquele feito com leite moça e não o que parece com um “macarrons”). Mas sabe que aqueles doces até estavam bem gostosos? Naquele momento fiquei bem feliz por não ter tomado café da manhã.

Em alguns dias a continuação da conversa e se tudo deu certo ou não com o Buffet.


Kari Mendonça

6 comentários:

Jaya Magalhães disse...

Kari,

Primeiro: li o texto abaixo, e eu, que acompanhava a história de Andrea, adorei ela ter voltado. As coisas estão começando a ganhar sentido novamente. Talvez, né? Gostei imenso.

Agora, sobre o casamento, eu ri de você falando 'eu experimentei por nós dois'. Rs. Eu experimentaria pela família inteira! Haha. Fiquei babando, de ler tuas descrições sobre tudo. Me deu até vontade de casar, só pra passar por essas coisas todas. Tá, eu sei, ainda falta arrumar um noivo. Droga! Mero detalhe...

É isso. Vai dar tudo certo.

Beijoca.

P.S.: Saudade de mãe, arde. Se esconde, às vezes, mas tá sempre lá. Mas, sabe? A gente dá conta. Elas também. É por uma felicidade conjunta, ainda que haja separação. (:

Alexandre Fernandes disse...

Ai Kari, que saga essa sua. TRatar dos minímos detalhes causa um desgaste né. Mas quando você sabe do que está tratando sempre compensa o esforço. É um acontecimento na nossa vida único. Tem caráter ímpar e transformador. É legal ver essa tua busca, tua busca pela organização das coisas. Te sinto encantanda com tudo isso. Fico feliz.

Aiai, esse texto meu deu uma fome. E canapés são tão deliciosos...

-

Não sabia a história de Andrea, mas gostei dela especialmente. Fala de separação, de distância e dessa dor que, por mais que se possa enganar existe um pouco. Vou
procurar ler os outros capítulos.


Beijos.
Sorte na organização do casamento.

Érica disse...

Quanto mistério filha. kkkk
Que delícia, fiquei aqui imaginando, huuuuuuummmm. Contrata logo amiga, só essa descrição das comidinhas, se não for eles, vai todo mundo traumatizar. rsrsrs Brincadeira.
Boa sorte coração.
Beijos

♥ Cαmilα Girαssol disse...

Kari
Espero que tenha dado certo sim, pois pelo que voce narrou este buffet parece ser incrivel!
Ai amo doces!
Ai amo salgados!
Ai amo folhados!

Buffet de casamento é delicioso!


Que tudo saia do jeito que você queira, tô aqui torcendo, sempre.


BeijOcas

Ignoto Jardim disse...

Meu Deus, nossa menina vai mesmo casar! Que Deus te abençoe, criança linda!

Katarine disse...

Kari!
Fico alguns meses (¬¬) longe e quando volto, descubro vááááááááárias novidades.

*Que feliz que vc vai casar tb! Parabéns! Amo casamentos. Aliás, já fui em dois este ano e ainda tem mais 4 pra eu ir. Ufá!

*Fica calma. No início parece que vai dar tudo errado, mas no fim, é td maravilhoso.

*Na verdade, melhor mesmo, é o casamento em si. A cerimônia e a vida a dois. Mesmo com as dificuldades, com os desentendimentos, pois há mto amor, muita felicidade e é claro, muuuuito dengo. ADORO!

No mais, estou torcendo SEMPRE por vc, tu sabes. Mesmo estando tão longe.

Grande abç!
Já estou super curiosa! vou ficar acompanhando de perto*

*pela internet, rsrsrs...