segunda-feira, 12 de abril de 2010

Mind the gap

Quem já viajou para outros países, especialmente os de idioma inglês, e andou de metrô, já deparou com o aviso que há em cada estação subterrânea. Ou está escrito no chão, ou os alto-falantes avisam: Mind the gap. Significa cuidado com o vão. Não caia. Não dê um passo em falso. Fique atrás da linha amarela. Não avance. Não arrisque cair nos trilhos. Mind the gap. Mind the gap.

Estava eu, numa noite de sábado, assistindo em casa ao filme Notas de um Escândalo, cujo atrativo maior é o duelo de duas grandes atrizes, Cate Blanchett e Judi Dench, quando a personagem da insatisfeita Cate saiu-se com essa frase: “Temos que ter cuidado com o vão. Que é a distância entre a vida que você sonha e a vida como ela é”.

A distância entre a vida que você sonha e a vida como ela é.


Mind the gap, pois a queda é dolorosa. Mantenha-se com os pés firmes na vida que você tem. Claro que a vida sonhada é determinante para a busca da felicidade, claro que é essa vida “do lado de lá” que nos mantém despertos, claro que o sonho é mais inspirador do que a realidade, porém, cuidado com o vão. É onde a gente se machuca.


O túnel de uma estação de metrô costuma ser recheado de cartazes publicitários. Fotos de ilhas caribenhas para vender cartão de crédito, fotos de mulheres sublimes para vender cosméticos, fotos de casais jovens e apaixonados para vender roupas. Um mundo lindo e perfeito, sem tédio, sem dívidas, sem solidão. Ali, do outro lado do vão.

E a gente olhando tudo isso, parado, em pé, segurando uma mochila pesada, enquanto espera o trem.

Se você está viajando a turismo, se está em outra cidade ou em outro país, de certa forma já está do lado de lá do vão, está vivendo um instante de deslumbramento, em que se encontra longe de casa, longe do trabalho, com algum dinheiro pra gastar, com tempo livre, tirando umas férias da rotina e de você mesmo: não seria essa a descrição perfeita de “a vida que você sonha”?
Férias é sempre um passeio por essa outra vida, a idealizada.

Mas pense bem: imagine uma vida eterna de prazeres, sem hora para dormir nem para acordar, com o mundo bem resolvido, o céu sempre azul, um amor tranquilo, champanhe e caviar dia e noite. Uma semana, um mês, dez anos sem motivos pra chorar, sem um compromisso a cumprir, sem um desafio.


Fazendo essa transferência, consigo me ver estampada nas paredes de uma estação, eu e minha vida de comercial de cartão de crédito, olhando aquela outra mulher na plataforma oposta, em pé, esperando o trem para levá-la a uma reunião de trabalho, a um encontro que pode frustrá-la ou surpreendê-la, a um bairro em que pode estar chovendo, a um acontecimento que deixará seu coração palpitando, e penso que talvez eu continuasse angustiada com a imensa distância que há entre a vida que a gente sonha e a vida como ela é.

Estamos sempre de olho na outra margem, na plataforma de lá. E o vão nunca some.

Martha Medeiros, em Donna ZH

5 comentários:

♥ Cαmilα Girαssol disse...

Kari, que interessante este texto.
Metaforas excelentes e uma mensagem muito válida.

Tenho medo de as vezes me perder em meus sonhos, mas confesso: adoro sonhar.


BeijOs querida


Ps. Como você está? Muito tempo não nos 'falamos'

Candinha disse...

nossa, inspiradíssimo! martha medeiros como sempre, dá show!
lindo post, amiga!

saudades! como foi o almoço com os trololós?? mta fofoca? :D ;**

Érica disse...

Kari, o melhor de todos. To muito impressionada. Adorei amiga. É isso mesmo, a gente sempre vai olhar p lado de lá e achar melhor, mas sempre vai existir alguém olhando o nosso lado e sonhando pra ter só um pouquinho desse tudo (nada) que a gente tem. ARASSOU. plac plac plac.
(aplausos)

Beeeeeeeeeijos
Te amo

Agostinho Lopes disse...

SAUDADESSSSS....

Estou tendo a oportunidade de ler esses avisos quase que diariamente...

Muito bom ler M.Medeiros em Kari!


Abraço!

*Lusinha* disse...

Sem comentários. Tinha que ser a Martha.
Bjitos!