quarta-feira, 28 de abril de 2010

A vida não vai sair como planejei

Em meados de 2008, eu escrevi uma carta a uma amiga. O título era “Sabe, a vida nem sempre sai como planejamos”. Escrevi após perder as aulas que fui assistir na faculdade para ficar com ela enquanto chorava. Escrevi tudo aquilo e imagino que se ela tivesse lido, não teria gostado. Foram palavras duras que ninguém gosta de ler em um momento como esses. Como eu posso ter tanta certeza? Hoje eu reli a carta, mas dessa vez não foi para ninguém, foi para mim. Eu precisava acreditar em tudo o que escrevi. Eu precisava saber que a vida nem sempre sai como planejamos. Agora eu sei.

E perceber que a vida apronta algumas com a gente é muito ruim. Saber que as coisas podem mudar, ás vezes é facilmente concebido, o difícil é replanejar tudo de outro jeito. O difícil é saber que nada vai ser como antes e que você terá que reaprender a viver, porque viver do jeito que está não é mais possível. O difícil é não poder dar aquele telefonema no final da noite só para contar como foi o dia e não poder receber um “bom dia” todas as manhãs. O difícil é saber que aquele vestido nunca vai sair do papel e aquele bolo, sequer será experimentado. O difícil é seguir em frente, sozinha.

Tudo o que foi vivido juntos jamais será esquecido. Foram momentos mágicos, sorrisos belíssimos, e um amor sincero. Um amor que suportou o que pode, até não poder mais. Amores eternos? Ainda acredito que eles existam. Acredito também que podem renascer. Mas também acredito que podem, simplesmente, acabar. A dor que causa tudo isso? Só sabe quem sente. Se é definitivo? Ninguém sabe. O melhor é pensar que não, mas eu nunca consigo ver o lado bom das coisas. E eu só acho que jamais nos veremos novamente. O que eu não quero que aconteça.

Uma amiga diz que precisamos de tempo. Tempo para aceitar tudo o que está para acontecer (ou estava, não sei). Tempo para percebermos o que realmente queremos. Tempo para amadurecermos e, na hora certa (seja ela quando for) tomaremos uma decisão. Enquanto isso, dói. Dói ter que guardar todas as fotos pregadas na parede. Dói tirar a foto do celular. Doem as lembranças das viagens durante a noite. Doem as passagens que não serão usadas e os presentes que não serão entregues. Dói seguir em frente. E como dói.

E sabe, é verdade que o amor e as rosas têm espinhos. Mas eles não servem para machucar ou tirar a beleza das rosas, eles servem para proteger. E é preciso apenas um pouco de cuidado (com ambos) para não se cortar. Se ainda não aprendemos a segurar a rosa, talvez precisemos, de fato, de um tempo.



Kari Mendonça

7 comentários:

Érica disse...

Para se dar um tempo, não precisa uma desconstrução, de jeito nenhum. Ainda mais quando o sentimento é forte e ainda existe. Todo ser humano é frágil, e comete enganos por insegurança e medo. Todo mundo sente medo. Algumas vezes as coisas saem so jeito que planejamos, mas isso não quer dizer que ela se perdeu, ou fizemos algo errado, simplesmente não era o momento. É triste, eu sei bem, mas toda tristeza tem sua redenção. Vai dar tudo certo, eu sei e sinto. Beijos, te amo!

ligadona disse...

Concordo com a sua amiga. Por mais previsível que a vida possa ser a gente precisa de tempo pra digerir certas coisas, às vezes esse tempo é muito longo e às vezes não...Mas temos q ter a sabedoria de q temos q viver nossa vida independente dessa digestão estar feita ou n...
=1

*Lusinha* disse...

Poxa Kari, imagino como deva estar sendo esse momento difícil. Mas acredito que nada nessa vida é por acaso e se você não consegue ver a explicação de estar passando por tudo isso, uma hora a resposta virá.
E você sairá melhor e maior, independente de qual seja ela!!!
Bjitos!

Marcus Vinícius da Silva disse...

Não vou tentar te dar conselhos, tu mesma já te deu todos os que eu imaginei que seriam úteis, e eu acho que é só uma questão de tempo para uma pessao forte que nem tu estrar sorrindo novamente.

Se algum dia tu precisar desabafar com alguém e se lembrar de mim, me manda um e-mail ou algo no orkut que eu estarei lá.

Beijo grande!

♥ Cαmilα Girαssol disse...

Querida, só quem sente sabe a dor de fato, nem sei o que te falar...
Nessas horas o melhor a fazer é segurar a mão e dizer: Tô contigo.

Sei que ainda não nos conhecemos, mas o carinho que tenho por ti é real, se quiser conversar estou sempre disponivel pra você, e se quiser um lugar para viajar, minha casa está de portas abertas... viagens são ótimas em momentos como este.

Fique bem, querida. Fique com Deus...

Um beijo carinhoso.

Katarine Rosalem disse...

Kari querida...
O que dizer diante de do que tu já disseste? Infelizmente, tenho que concordar contigo: A vida não vai sair como planejamos. É CLARO que queremos e precisamos não acreditar nisso, mas às vezes levamos pancadas que talvez não sabemos entender na hora, e só mais tarde poderemos compreender que foi um machucadinho necessário para crescermos, como pessoa e como mulher.
É como quando eramos criança e caíamos, daí a mamãe dizia "foi só um susto, pra crescer..." Não dizer coisas que pareçam blá, blá, blá de quem está de fora. Graças a Deus, não sei o que vc está sentindo, mas lhe garanto que em 1 ano e 8 meses de casada, já me decepcionei, compreendi, sofri, fui incompreendida, achei que tudo o que tinha planejado, acabaria como o título do seu post. Mas graças a DEUS, à minha família e às pessoas que me amam tudo está sedo superado, e aos poucos TUDO voltará ao normal, e quem sabe, será bem parecido com o que eu havia planejado.
Só digo uma coisa: melhor que foi agora. Se não, a dor e o sofrimento seria ainda muito maior. Isso eu te garanto.
No mais, fica com Deus, e se precisar de um "e-mail amigo", vc sabe onde encontrar.
Bjos e tenha fé.
"Nada poderá me abalar, nada poderá me derrotar, pois minha força e vitória tem um nome é Jesus".

Ignoto Jardim disse...

"Se tu queres uma amiga, cativa-me! "

(O pequeno príncipe).
Kari, a gente é responsável por aquilo que cativa. O amor é algo delicado e precioso, que deve ser vivenciado a dois. Quando um está amando mais que o outro, é pq a balança está desigual. Falo do amor homem/mulher, não do amor ágape, que é o amor de Deus, ou de uma mãe.
amanhã o sol voltará a brilhar!
Coragem, criança!
Mandei um e-mail para vc, no qual te falo mais claramente, espero que o leia. Não me julgue intrometida, ok?mandei naquele endereço que vc disponibilizou.
Beijão