segunda-feira, 26 de julho de 2010

Eu fico por aqui.

Foram quatro anos. Trezentas e cinqueinta e quatro postagens. Um amor. Várias despedidas. Muitos acontecimentos. Inúmeras lágrimas. Eternos sorrisos. Muita dor. Muito amor. Alguns sonhos. Outras desilusões. Vários amigos "virtuais". Uma amiga que saiu do "virtual" a muito tempo. Inúmeras palavras contra, a favor, elogios e reclamações. Uma vida. A minha vida colocada para fora em cada palavra, em cada post, em todos esses anos. Minha despedida.

Eu poderia dizer que o semestre será corrido. Que tenho um TCC para preparar e não terei tempo com o blog. Mas não seria verdade. Nem mentira. Não seria de todo uma verdade. Despeço-me porque não sei o que dizer. E não adianta ficar dizendo que voltarei mais tarde, que voltarei amanhã ou que voltarei quando tudo estiver bem. Talvez eu até volte. Mas agora eu não tenho o que dizer. Ou até tenho, mas pela primeira vez em muito tempo, eu quero guardar só para mim. Não quero que todos saibam quando uma lágrima cair dos meus olhos. Ou quando eu conseguir aquele emprego dos sonhos.

O blog me ensinou muito. Mas talvez a vida tenha me ensinado muito mais nos últimos tempos. Eu ainda sou daquele tipo que compra uma agenda no começo do ano só para escrever como foram os dias e poder ler anos depois. Este ano eu comprei uma, depois de alguns anos sem comprar. Tinha um objetivo: escrever sobre um dos melhores anos da minha vida. As coisas sairam do controle. Começei a descrever os dias mais terríveis. Tristes. Dolorosos. Cheguei a pensar em parar de escrever, mas por algum motivo, continuo. Ainda espero, antes de dormir escrever que tudo não passou de um sonho ruim.

Mas uma coisa é escrever só para mim. Outra, bem diferente, é escrever para quem quiser ler. Eu não quero mais. Não quero que saibam como andam as coisas. Não quero que saibam das minhas dúvidas. Das minhas esperas. Não quero que o mundo inteiro saiba do que se passa comigo. Preciso aprender a viver a minha vida sem ouvir a opnião de todos. Sem perguntar o que todos acham. E sem dizer a todos o que está prestes a acontecer ou não. Porque uma coisa é dizer para qualquer um que a vida não sai como planejamos e que precisamos seguir em frente. Outra bem diferente é tentar nos convencer de tudo isso.

É que, de repente, pareceu errado dizer tudo que eu sinto. Ou dizer o que penso. O que sonho. O que quero. E, para não ficar poudando as minhas palavras e meus pensamentos, eu vou ficando por aqui. Sentirei uma saudade sem tamanho, pois esse não é mais um blog qualquer, é o meu refúgio. Foi o meu refúgio, meu descanso. Meu poço de desabafos. Meu canto predileto do mundo inteiro. É com lágrimas que me despeço.

Kari Mendonça

7 comentários:

Antônio disse...

Kari, querida... Tu já presenciou várias vezes minhas tentativas de fechar meu blog. Lembro até de uma vez que postei uma figura de um portão cadeado, e tu foi a primeira a comentar, me incentivando a não parar de escrever.

Não vou fazer isso contigo. Entendo teus argumentos. Por ser estritamente pessoal, teu blog causa em ti o mesmo que o meu já causou a mim, tanto que tive que mudar de horizonte, de foco. Parei de revelar os piores sentimentos, e agora conto apenas as curiosidades.

Espero que o tempo te mantenha ao menos na blogosfera. Visitando no início e, quem sabe, postando tudo de um jeito diferente, de uma forma que não te machuque. Faz um tempão que não comento por aqui, mas leio todos os teus textos e sei bem que abrir demais a vida pessoal é prejudicial. Eu não dou meus pitacos, mas sempre tem quem se mete.

Portanto, guria, faça o que o coração mandar. Porém, não nos abandone... Não tenho a sorte da Candy, que conseguiu te conhecer pessoalmente, mas também te considero muito.

Beijão, fica com Deus!

Agostinho Lopes disse...

Se fosse possível, eu gostaria de "descrever" aqui, "um minuto de silêncio" por esse "réquiem" que você escreveu; essa "nota de falecimento" de algo que aprendi a gostar: o "Botando prá fora".

Mas entendo perfeitamente a tua necessidade de "gritar para dentro" e por isso tens meu integral apoio.

Na medida do possível, visita os blogs que você gosta.

Te desejo um reencontro contigo mesma, nessa "viagem interior" que estás fazendo e que essa viagem te dê as forças necessárias para voltar "Botando prá fora", pois o mundo necessita de pessoas como você".

Ponto Final!

Ignoto Jardim disse...

Nossa! Que saudades que eu vou sentir! O mundo dos blogs nao será mais o mesmo, sem as suas postangens. Atualmente, elas andavam rareando, mas eu pensava que logo vc voltaria a escrever.
Uma vez eu lhe disse algo, por email, e acho que vc ficou brava. Eu só queria lhe dar forças, me desculpe, tá?Jamais quis me meter em sua vida.
Agora mesmo, eu pensei em lhe dizer que se eu fosse vc, apagaria as postagens que me trouxessem recordações que quero esquecer, eu lhe diria que, como jornalista, vc poderia abstrair um pouco de seu mundo particular e talvez debruçar-se sobre o cotidiano do mundo, ver os fatos lá fora e escrever sobre eles, como uma articulista. Seria um grande exercício para uma futura grande jornalista. Mas de novo eu iria chatear vc, e de novo vc ia se ficar triste, entao eu nao vou dizer nada, kari. Quando vc tiver um novo blog, me avise, quero ler vc, pois gosto muito da sua escrita.É tão triste quando um ciclo se completa, se eu pudesse faria as coisas boas da vida durarem para sempre. A nossa amizade aqui, mesmo virtual, para mim era quase real. Mas foi uma fase que, vejo, terminou. Seja muito feliz, menina linda!

*Lusinha* disse...

Lamento você ir embora. Mas acho que sei o que você está passando. Só não tive coragem de fazer isso com meu blog ainda.
Se voltar, avise-me, héin?
E se precisar, lembre-se que estou aqui.
Espero que esteja e fique bem!
Bjitos!

Alessandra disse...

Sábia decisão, Kari!
Quando conseguires voltar para o blog sem precisar descrever a tua vida, volta, pois sempre entro aqui a espera de algo bom pra ler!
Beijos

élida disse...

Kari, concordo com o Branquelo: entendo o que significa se expor, expor suas piores dores e suas maiores alegrias. Eu nao cheguei a ser élida no mundo virtual, eu tenho outro nome, mas sempre me expus pra vcs, meus queridos amigos.
Dei uma parada no meu blog por motivos diferentes dos seus, entao te respeito sim.
E tb demoro a comentar, mas sempre leio aqui e gosto demais dessa menina arretada.

e, mesmo sem blog, meu email é o mesmo, viu?
e to esperando um :D
hehe

beeeeeeijo grande nessa 'buxexinha'

Hugo Simões disse...

Kari querida, faz tempo que não passo por aqui e é com uma notícia triste que me deparo. Porém concordo com sua decisão e gostaria de agradecer todos os bons momentos que passei aqui no seu blog e também pela sua amizade (virtual, porém não menos real). Penso no dia que não suportarei mais ler minhas palavras e acabarei com o blog, talvez não demore muito também..