quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Quando Dezembro chegar...

Se você me perguntasse o que eu estou sentindo nesse exato momento, a primeira palavra seria medo. A segunda poderia ser ansiedade. E a terceira, medo. Sim, de novo. Porque o medo que eu sinto é tão grande e por tantas coisas diferentes que eu não poderia citá-lo uma única vez.

Os meus dias estão sendo terríveis. As minhas noites, piores ainda. Eu não paro de pensar no meu TCC e em como eu simplesmente não consigo escrever as matérias como deveria. E mesmo que eu não consiga escrever, o sono não vem, a cabeça não para de girar, de pensar, de ter ideias, de corrigir uma página ou outra. Se consigo dormir, é pior ainda, porque os sonhos são invadidos pela revista (sim, o meu TCC é uma revista) e eu sonho que perdi o pendrive ou apaguei o arquivo ou tudo vai dar errado e não vai estar pronto quando deveria.

E quando estou acordada, eu lembro que a faculdade está acabando. E que a hora de tomar as decisões estão chegando. Apesar de saber bem o que eu quero, eu tenho medo. Medo que eu não consiga ir para onde gostaria. Que eu não arrume nenhum emprego. Que a “profecia” do meu avô de que eu ficaria quatro anos desempregada, realmente aconteça. E que sair da faculdade se torne a pior coisa que poderia me acontecer.

Mas apesar do futuro, dos prazos. O meu maior medo é do Dezembro. Eu gostaria que ele nunca chegasse. Que pudéssemos acabar o ano junto com o Novembro. Que todas as festas de final de ano não acontecessem. Que todos os sábados fossem tirados do calendário. Que o Dezembro de 2010 fosse... Que simplesmente não fosse. Porque só de pensar eu tenho vontade de me esconder. E, ora essa, eu não fiz nada errado. Mas ainda assim eu gostaria de me esconder.

Porque eu estou começando a ter medo das pessoas. É que elas mudam quando o Dezembro chega, já reparou? Todos ficam mais “felizes”, mais “alegres” e “contentes” e eu não quero fazer parte disso. É! Eu sei que é egoísmo. Mas eu não quero ver as pessoas comemorando suas felicidades. Sorrindo. E sabe qual o pior de tudo isso?

É que eu estou acabando a faculdade. E isso é o que eu mais queria. E eu deveria comemorar. Alegrar-me com tudo isso. E festejar a minha vitória! Mas tudo que eu quero é ficar no meu quarto e esperar o Dezembro passar bem rápido. Deixar o Janeiro chegar, fazer aniversário e esperar o que Papai do Céu guardou pra mim. Porque eu realmente espero que Ele tenha guardado uma coisa bem boa, depois de tudo que eu passei (e ainda estou passando)...

E por fim, fica um poema do grande Drummond:

Quem me acode à cabeça e ao coração
neste fim de ano, entre alegria e dor?
Que sonho, que mistério, que oração?
Amor.



Kari Mendonça

2 comentários:

Agostinho Lopes disse...

Quem sou eu para te dar conselhos, mas se pudesse, diria que "nós somos o que pensamos". Se a gente "pensa pequeno", seremos idem. Se pensamos grandes, então seremos grandes. Esquece essa "praga do avô". Mira o infinito e diz que vai chegar nele.

E tanta também superar o "medo medo" (em dobro). Tem que dar o grito. Dar ao medo um chá de "kisifoda" e ser maior que ele.

Tu és!

Bia disse...

Estava navegando por alguns blogs e encontrei o seu. Uma graça. E sobre a nova fase, penso que deve ser difícil mesmo. Eu morro de medo de formar. hahaha Já estou seguindo! Beijos