domingo, 1 de julho de 2012

Disponibilidade afetiva

Nos últimos dias lendo o grande Caio Fernando Abreu deparei-me com um termo, ou, digamos, uma denominação: disponibilidade afetiva. Achei interessante e percebi que é exatamente como me encontro no momento. Não em "um relacionamento sério" ou "solteira", mas em "disponibilidade afetiva". A princípio soou estranho. E deprimente, confesso. Mas com o tempo, acostumei-me a ideia.

Disponibilidade afetiva significa não estar apaixonada, e nem amando. E acredite, isso pode ser bom. Ao menos por um tempo. E o termo que define tão bem o sentimento é "paz". Não me sinto angustiada e nem ansiosa. Vivo os dias para mim e não esperando por nada. Saio sem o celular e isso não me causa nenhum estresse (acredite, já causou bastante).

Depois de muito tempo (sequer consigo dizer com precisão), eu não olho para o celular a cada dois minutos a procura de uma sms ou um telefonema que eu por algum motivo do além, não ouvi tocar. E eu não abro o meu e-mail o tempo inteiro e até parei de usar o MSN. Porque eu não estou esperando ninguém me enviar nada. E isso é... É bom!

Ok! Não vou dizer que casais românticos não me deprimam, mas sentir essa paz, sem ansiedade é reconfortante. E eu sei que não vai durar. Conheço-me como ninguém. E nem quero que dure tanto tempo. Mas estou aproveitando o momento. Aproveitando a minha disponibilidade afetiva da melhor maneira possível. Afinal, tenho que aproveitar a calmaria que antecede a tempestade.



Kari Mendonça


5 comentários:

Alexandre Lucio Fernandes disse...

É bom não esperar nada. É bom sentir esta leveza, esta liberdade pulsando em nós. Às vezes ficamos ansiosos demais, criamos expectativas demais e tudo desmorona porque nada vem da maneira como esperamos e desejamos. As coisas são como são. E precisamos aceitar que elas vêm quando menos esperamos e de um jeito especialmente particular. Porque a vida se mostra independente.

É bom aproveitar esta calmaria, esta disponibilidade afetiva. Preciso sentir e viver mais disso...

Beijo querida!

Saudade de te ler...

#Acorda Castelo disse...

Bom saber que e ler suas matérias pois da ultima vez que tentei ler tava fechado para um determinado tipo de pessoa.

Candy disse...

ando tão sem pique, que nem pra pensar no meu encalhadismo crônico eu tenho energia...

Acho que isso é ruim, né?

Katarine Rosalem disse...

Ei Kari! Quanto tempo!! Estava com saudades de vc, sabia? Fiquei feliz em saber que tu ainda indicas meu blog para leitura, mesmo que ele esteja (estava) meio paradão. Passei pra dizer que tem novidade por lá. Se puder fazer uma visitinha... rsrsrsrs. Bjs!!!

Arquimedes Diniz disse...

Disponibilidade afetiva, já estive assim e não sabia que nome dar, agora já tenho...rs